Topo

Esporte


"Era Barcelona" termina, e Villarreal domina elenco da seleção espanhola

Santi Cazorla em ação pelo Villarreal contra o Barcelona; meia está na seleção local - Albert Gea/Reuters
Santi Cazorla em ação pelo Villarreal contra o Barcelona; meia está na seleção local Imagem: Albert Gea/Reuters

João Henrique Marques

Colaboração para o UOL, em Paris

11/10/2019 04h00

Não por acaso, o acúmulo de jogadores do Barcelona na seleção da Espanha faz parte do passado. O projeto para a Copa do Mundo de 2022 não tem mais um clube base - nem mesmo o Real Madrid -, e no momento Villarreal é o maior representado no elenco, com quatro jogadores convocados. A Fúria enfrenta a Noruega hoje, às 15h45 (de Brasília), em Oslo, pelas Eliminatórias para a Eurocopa de 2020.

Na Espanha comandada por Roberto Moreno, o meio-campista Sergio Busquets é o representante único do Barcelona. O cenário era o mesmo com seu antecessor, Luis Enrique, ex-treinador do Barcelona. Gerard Piqué se aposentou da seleção, e Sergi Roberto e Jordi Alba, outros constantemente convocados, não fazem parte do grupo por opção técnica. Enquanto isso, o Villarreal emplacou no elenco os zagueiros Pau Torres e Raúl Albiol, o meio-campista Santi Cazorla e o atacante Gérard Moreno.

Ver o Barcelona dominar convocações da Espanha foi comum nos últimos anos. No time campeão da Copa do Mundo de 2010, o tiki-taka do clube catalão era representado por oito jogadores: Victor Valdés, Carles Puyol, Gerard Piqué, Sergio Busquets, Xavi Hernández, Andrés Iniesta, Pedro Rodríguez e David Villa. No ano passado, Alba estava no elenco que disputou a competição na Rússia, assim como Piqué, Busquets e Iniesta.

"Isso é um reflexo do momento ruim das categorias de base do Barcelona. O clube não revela, só contrata jogador estrangeiro. Nem mesmo o Busquets hoje é titular do time. Você vê o De Jong e Arthur aparecendo com mais frequência, e acho que a Espanha vai acabar sem ninguém do Barcelona", disse Thomas Roncero, editor do jornal "AS".

A Espanha de hoje tem dois jogadores do Real Madrid, Dani Carvajal e Sergio Ramos, e um do Atlético de Madri, Saúl Ñíguez. Assim, o Villarreal tem a mesma quantidade de convocados do que os três principais clubes do país na atualidade somados. A lista de 23 atletas tem 17 clubes representados. Para efeito de comparação, entre os 23 chamados por Tite para a seleção brasileira nesta data Fifa, são 15 clubes representados.

"É um reflexo do que está sendo o futebol atual. Antigamente, se juntavam sete jogadores de um mesmo país em uma equipe, mas agora a miscigenação dos elencos acaba resultando em uma seleção mesclada", argumentou o treinador espanhol, Roberto Moreno.

No atual time do Barcelona, só dois espanhóis são titulares: Piqué e Alba. No Real Madrid, o time base de Zidane conta apenas com Ramos e Carvajal como representantes do país. Com constantes alterações no elenco, o clube madrilenho ainda tem dois jogadores emprestados na seleção atual: o lateral-direito Sergio Reguílon, hoje no Sevilla, e o meio-campista Dani Ceballos, hoje no Arsenal.

Realizando mudanças significativas no perfil da Espanha, Roberto Moreno, que foi auxiliar-técnico de Luis Enrique na seleção, está respaldado pelos resultados. A Espanha é líder do grupo F das Eliminatórias para a Euro com 18 pontos, sete à frente da Suécia e oito acima da Romênia. A equipe, desta forma, pode garantir uma vaga na competição já nesta data Fifa caso vença Noruega e Suécia.

Esporte