Topo

Botafogo e Flu se encaram para estancar crise e dar segurança a técnicos

Presidente do Botafogo Nelson Mufarrej e presidente do Fluminense Mario Bittencourt - Montagem sobre fotos de Vítor Silva/Botafogo e Lucas Merçon/ Fluminense FC
Presidente do Botafogo Nelson Mufarrej e presidente do Fluminense Mario Bittencourt Imagem: Montagem sobre fotos de Vítor Silva/Botafogo e Lucas Merçon/ Fluminense FC

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

06/10/2019 04h00

Fluminense e Botafogo se encontram hoje (4), no Nilton Santos, em uma partida que ganhou um grande peso para os dois lados. Um triunfo no clássico e, consequentemente, a conquista dos três pontos, podem amenizar o momento conturbado que as equipes atravessam no Campeonato Brasileiro. Nos últimos dias, protestos e insatisfação da torcida deram o tom da rotina nos lados alvinegro e tricolor.

O Botafogo chega para o duelo muito pressionado. Sem vencer há quatro rodadas e com três derrotas consecutivas - São Paulo, Bahia e Fortaleza -, a torcida realizou três protestos na última semana, além de pichações no muro de General Severiano.

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter

Em um destas manifestações, integrantes de uma organizada interromperam o treino para conversar com o elenco e, em outra, invadiram a sede para cobranças à diretoria. Neste cenário, o técnico Eduardo Barroca também se encontra pressionado e uma parcela dos alvinegros pede a demissão dele depois da queda de rendimento da equipe.

"Acho que está se tornando uma coisa muito comum no futebol [invasão de treino]. Nós, os profissionais, e os profissionais da imprensa não podemos valorizar esse momento. Isso é uma situação muito delicada no futebol. Aconteceram na semana passada vários movimentos como esse, está acontecendo nessa semana com o Botafogo. A gente não pode admitir isso. É uma falta de respeito muito grande", disse o gerente de futebol Anderson Barros.

Membros da cúpula do clube também não escapam. O presidente Nelson Mufarrej é um dos alvos dos recentes gritos de ordem das arquibancadas e tal pressão vem tendo consequências nos bastidores.

Do outro lado, o Tricolor também não vive exatamente um período de calmaria. A equipe das Laranjeiras convive com a proximidade da zona de rebaixamento do Brasileiro e busca, a todo custo, ganhar posições na tabela.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Na semana passada, houve a demissão do técnico Oswaldo de Oliveira - depois de empate com o Santos, em jogo que ficou marcado pela discussão entre o treinador e Ganso - e invasão ao centro de treinamento, que fez com que o elenco ficasse acuado na academia durante conversa com integrantes de organizada. Além de pichações em um dos muros do CT.

Após a vitória sobre o Grêmio no Maracanã, entretanto, os ânimos se acalmaram. Em coletiva realizada na última sexta-feira, o presidente Mario Bittencourt confirmou a efetivação de Marcão, que treinou a equipe na vitória, após decidir demitir Oswaldo.

"Ele teve uma atitude intempestiva na saída do campo. Já havia uma animosidade enorme - e vínhamos já discutindo se iríamos manter o trabalho ou não, por questões técnicas e de resultado. Mas o estopim da saída foi: no momento em que o profissional entra em uma rota de colisão e reage de uma forma ofensiva a nossos torcedores, não há como ficar", apontou.

Em casa, o Botafogo, atualmente na 10ª colocação, com 27 pontos, busca voltar ao rumo das vitórias para poder voltar a olhar para a primeira metade da tabela. Já o Fluminense, na 16ª colocação, com 22, quer o triunfo para se afastar da zona e poder respirar um pouco mais aliviado na competição.

BOTAFOGO X FLUMINENSE

Local: Nilton Santos - Rio de Janeiro - RJ
Data e hora: 06/10/2019, às 16h (domingo)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Rafael Trombeta (PR)
VAR: Braulio da Silva Machado (SC)

BOTAFOGO: Gatito, Fernando, Carli (Marcelo), Gabriel e Gilson; Bochecha, João Paulo e Cícero; Marcinho, Luiz Fernando e Diego Souza. Técnico: Eduardo Barroca.

FLUMINENSE: Muriel, Gilberto, Nino, Digão e Caio Henrique; Allan, Daniel, Ganso e Nenê; Yony González e João Pedro. Técnico: Marcão.