Topo

UOL Esporte vê TV


Tiago Nunes exalta Petraglia e se declara: 'Não me vejo fora do Athletico'

Tiago Nunes, técnico do Athletico-PR, após vencer a Copa do Brasil 2019 - Pedro H. Tesch/AGIF
Tiago Nunes, técnico do Athletico-PR, após vencer a Copa do Brasil 2019 Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/09/2019 01h26

Convidado do Bola da Vez, programa da ESPN, o técnico do Athletico Paranaense, Tiago Nunes, se declarou ao Furacão. Questionado sobre a chegada de propostas para deixar o atual campeão da Copa do Brasil, o treinador afirmou que, no momento, não pensa em sair do time paranaense.

"Eu não me vejo, por enquanto, fora do Athletico. Eu tenho uma relação boa com todos que estão lá, minha família adora Curitiba. Tudo isso, para mim, é muito prazeroso acordar cedo e voltar tarde para casa. Enquanto eu tiver este prazer de estar lá, eu quero continuar no Athletico", disse Nunes.

"Enquanto eu entender que o Athletico está focado em ser competitivo, em competir com os maiores, mesmo não tendo o maior orçamento, isso me atrai. Se em algum momento esta ambição não estiver mais nas pessoas que estão lá, eu também não vou ter mais o prazer de permanecer", completou.

O treinador ainda exaltou o presidente do Conselho Deliberativo do Athletico, Mario Celso Petraglia. Reconhecendo que o dirigente pode ser tanto amado quanto odiado, Tiago Nunes destacou a importância de Petraglia - atualmente internado - para o crescimento do clube.

"Eu sei que tem pessoas que amam e que odeiam, mas o Athletico só é o que é hoje por causa dele, porque ele bancou. Ele pegou o clube num período em que não tinha nada e transformou numa potência em termos estruturais. Hoje o clube consegue bancar questões de televisão e políticas porque ele conseguiu tornar o clube autossuficiente", disse.

E o boné?

Tiago Nunes ainda comentou sobre a polêmica declaração após a derrota do Athletico Paranaense para o Avaí. Em tom bem-humorado, o treinador afirmou ter se espantado com a repercussão, mas que o ocorrido serviu como ensinamento.

"Nem uso boné e, a partir de agora, não pretendo não usar nunca mais. Acabei usando o boné para justificar uma falha e o tiro saiu pela culatra", brincou o comandante do Furacão.

"Cansado e muito acostumado com a imprensa do Paraná, levei muito mais num tom de papo de bar e tomou uma proporção muito maior do que eu imaginava. Serviu como aprendizado", completou.