Topo

Atletas revelam boicote a patrocinadores do Botafogo por atraso salarial

Jogadores do Botafogo concederão entrevista em área que não houver exposição de patrocinadores - Reprodução/Twitter
Jogadores do Botafogo concederão entrevista em área que não houver exposição de patrocinadores Imagem: Reprodução/Twitter

Bernardo Gentile

Do UOL, no Rio de Janeiro

05/09/2019 15h21

Não é a primeira vez e, muito provavelmente, não será a última. Os jogadores do Botafogo revelaram nesta quinta-feira que não concederão mais entrevista coletiva na sala de imprensa do clube, mas apenas do lado de fora. O objetivo é evitar expor a marca dos patrocinadores do clube para deixar bem clara a insatisfação do grupo com os atrasos salariais.

O protesto é uma forma de os jogadores lutarem em causa própria, mas também pelos funcionários do Botafogo - alguns não foram trabalhar por falta de dinheiro. Ambos completam dois meses de salários atrasados nesta sexta-feira. A revelação foi feita por Joel Carli, João Paulo e Gabriel antes do treinamento desta quinta-feira, no Nilton Santos.

"Sobre este momento que nós jogadores e funcionários do clube estamos atravessando em questões de salários, é um assunto muito delicado, mas que todos fiquem sabendo desse momento. Queria agradecer o apoio dos torcedores", disse Joel Carli.

"A gente vem a público fazer esta cobrança. Nós estaremos concentrados exclusivamente dentro de campo, nas nossas funções, no treinamento e no dia do jogo. De maneira nenhuma isso vai atrapalhar o futebol. Então estaremos voltados às nossas atividades no campo", completou João Paulo.

A situação do Botafogo não é nada fácil. Sem dinheiro para pagar salários, o clube já vendeu cinco atletas para arcar com parte da dívida. A medida é o que vem mantendo o Alvinegro em funcionamento até aqui. A bola da vez é Gatito Fernández. A diretoria espera receber proposta dos Emirados Árabes para negociar o goleiro.

Insatisfeitos com o cenário, torcedores criaram uma forma de arrecadar doações para comprar cesta básicas aos funcionários. A meta era de R$ 5 mil, mas em menos de 24h foi arrecadado quase R$ 15 mil. Alguns jogadores como Marcelo Benevenuto e João Paulo participaram da ação.