Topo

Barcelona tem início de temporada frustrante sem Neymar e com Messi fora

Charles Platiau/Reuters
Imagem: Charles Platiau/Reuters

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

03/09/2019 04h00

Neymar não veio, Messi segue fora de ação e o Barcelona sofre. O fracasso na negociação para trazer de volta o craque brasileiro, que permanece no Paris Saint-Germain pelo menos até o fim do ano, atesta o começo de temporada frustrante do clube catalão. Os problemas ultrapassam a falha no mercado da bola e chegam até o campo. Oitavo colocado com apenas quatro pontos em três rodadas, o Barça igualou o pior início de Campeonato Espanhol no século.

Somente em 2006 e 2009, temporadas hoje consideradas históricas no clube, o Barcelona somou quatro pontos em nove possíveis nos três primeiros jogos pela liga local.

O cenário este ano, contudo, se difere ao exibido na Era Ronaldinho e com o início de trabalho de Josep Guardiola, que saiu da Catalunha como um dos maiores treinadores da história do clube. O Barça de Ernesto Valverde começou a temporada pressionado pela eliminação traumática na Champions para o Liverpool e sem as duas grandes estrelas à disposição.

O treinador ainda não pôde contar com Lionel Messi, em busca da melhor forma física após participar da Copa América com a Argentina. Luis Suárez, por outro lado, se machucou na estreia contra o Athletic de Bilbao e acabou diagnosticado com lesão muscular na panturrilha direita. O argentino e o uruguaio podem ficar ainda mais um mês afastados, em tratamento no departamento médico.

Suárez se lesionou ainda na estreia do Barcelona no Campeonato Espanhol - ANDER GILLENEA / AFP
Suárez se lesionou ainda na estreia do Barcelona no Campeonato Espanhol
Imagem: ANDER GILLENEA / AFP

Neste cenário, a chegada de Neymar serviria para mudar a narrativa. O passado vitorioso fez o Barcelona oferecer até jogadores anteriormente considerados importantes como Ivan Rakitic e Ousmane Dembelé para convencer o PSG a liberar o brasileiro. Não deu. O camisa 10 permaneceu em Paris, e os catalães sem a nova/velha estrela.

Quem ocuparia este lugar, até aqui, não rendeu. Antoine Griezmann, enfim, assinou com o Barcelona para potencializar ainda mais o ataque da equipe. Após três rodadas, contudo, o ex-Atlético de Madri se tornou alvo das maiores críticas da imprensa espanhola, especialmente pelo desempenho do último fim de semana no empate contra o Osasuna.

O catalão Mundo Deportivo classificou a atuação do francês como "invisível". O Sport, também jornal de Barcelona, deu nota 3 a Griezmann, questionado ainda pela atuação na estreia diante do Athletic de Bilbao - derrota por 1 a 0, no País Basco.

Sem Messi e Suárez, o francês ainda não emplacou como a terceira estrela que o Barça procurava. De quebra, a diretoria ainda falhou na 'operação Neymar' e frustrou a possibilidade de reaver o trio MSN.

Defesa em péssima fase

Os números deste início de temporada são terríveis, principalmente em relação ao setor defensivo. São cinco gols sofridos nas três primeiras partidas, pior marca em 20 anos. Nem a presença de Marc André Ter Stergen, candidato ao prêmio de melhor goleiro do mundo ao lado dos brasileiros Alisson e Ederson, evita o retrospecto negativo da equipe em 2019/2020.

Esta soma que reúne a falta de Neymar, a condição física de Messi e a defesa em péssima fase se reflete na tabela. Enquanto o Barça patina, o Atlético de Madri sobra nos resultados.

Com a estrela emergente João Félix, o time de Diego Simeone tem 100% de aproveitamento: nove pontos conquistados dos nove possíveis. A pressão, apesar da evidente irregularidade do arquirrival Real Madrid (cinco pontos), apareceu no Camp Nou muito antes do esperado. Bastou nem um mês de liga.

Barcelona