PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Najila pede acareação com ex e advogado em investigação de extorsão e furto

Modelo Najila Trindade, que acusa Neymar de estupro, em entrevista ao SBT - Reprodução/SBT
Modelo Najila Trindade, que acusa Neymar de estupro, em entrevista ao SBT Imagem: Reprodução/SBT

Felipe pereira e Ricardo Perrone

Do UOL, em São Paulo

02/09/2019 15h18

O advogado Cosme Araújo Santos, que representa Najila Trindade, pediu acareações com duas pessoas nos inquéritos que correm na 11ª Delegacia de São Paulo e apuram suposta tentativa de extorsão e o arrombamento ao apartamento da modelo que acusou Neymar de estupro. A primeira acareação solicitada é com o ex-marido da cliente, Estivens Alves. O outro pedido se refere ao primeiro advogado dela, José Edgard Bueno Filho. A petição está sob análise e ainda não há uma resposta por parte da Polícia Civil.

Cosme Araújo explicou que deseja colocar Najila frente a frente com o ex-marido, porque Estivens Alves descreveu o conteúdo do vídeo que a modelo fez no segundo encontro com Neymar em Paris. Ocorre que a cliente dele sustenta que o ex-marido nunca viu as imagens. Em depoimento, Estivens contou à Polícia Civil que na gravação o atacante do PSG teria tentado acalmar Najila.

Milena Peterle, advogada de Estivens Alves, não se opõe à acareação. Por mensagem de WhatsApp, ela adiantou que não haverá recuo nas informações fornecidas à Polícia Civil.

"Considero uma ótima opção a realização da acareação para que meu cliente reafirme as declarações que deu. Vamos aguardar a posição da delegada e prontamente colaborar com a investigação em todos pontos necessários."

Em relação ao primeiro advogado de Najila, o pedido de acareação tem como base a informação de que José Edgard Bueno Filho teria sugerido um acerto com o estafe de Neymar. O atual advogado da modelo, Cosme Araújo Santos, declarou que a cliente nunca autorizou a solicitação de valores para desistir da acusação de estupro que fez contra o jogador. José Edgard disse que não sabia da possibilidade de acareação e não quis fazer comentários. Respondeu que só se manifestará nos autos.

Os inquéritos que correm na 11ª Delegacia de São Paulo têm origem na acusação de Najila de que teria sido estuprada por Neymar durante viagem a Paris em maio. A 6ª Delegacia de Defesa da Mulher apurou o caso e chegou à conclusão de que não há indícios para indiciar o jogador. Mas durante a investigação, surgiram fatos que levaram à suspeita da existência de crimes.

O primeiro foi o suposto furto de um tablet que estava no apartamento da modelo. O equipamento conteria uma gravação que seria prova contra Neymar. Também há uma investigação de suposta tentativa de extorsão surgida a partir de reclamação de Neymar. A Polícia Civil ainda apura a possibilidade de denunciação caluniosa por parte de Najila. Os casos correm na 11ª Delegacia porque não se tratam de crime contra a mulher, mas de crime comum.

Futebol