Topo

Vice do Atlético-MG "descobriu" Jair no Sport e escutou crítica por negócio

Jair se tornou destaque do Atlético-MG sob a batuta de Rodrigo Santana - Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG
Jair se tornou destaque do Atlético-MG sob a batuta de Rodrigo Santana Imagem: Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

30/08/2019 04h00

Lásaro Cândido Cunha é vice-presidente e responsável pelo setor jurídico do Atlético-MG. O dirigente não costuma opinar no futebol com frequência, mas a sua última sugestão rendeu ao clube um de seus destaques na atualidade. Foi ele quem viu e indicou Jair ao departamento de futebol.

Ainda no ano passado, o vice do Galo assistiu a um jogo do Sport pelo Campeonato Brasileiro. Em pouco tempo, não teve dúvida. O volante do time pernambucano poderia se tornar um bom reforço para o Galo em 2019. Embora jogassem em posições distintas, o que faz questão de salientar, Lásaro via semelhanças entre Jair e Anderson Talisca, ex-Bahia e que hoje defende o Guangzhou Evergrande, da China.

"Eu assisti aos jogos dele e ele me lembrava muito um jogador que indiquei para o Atlético à época e [o clube] até procurou, mas não surtiu efeito. É o Talisca, que jogou no Bahia, embora o Talisca seja mais atacante. O jeito, a forma de tocar na bola. Eu o vi jogando no Sport e ninguém falava desse jogador. Em alguns jogos, inclusive, ele era reserva do Sport. Assisti a dois jogos completos e me impressionou muito. Pedi os vídeos dele e continuei impressionado", contou Lásaro ao UOL.

O vice-presidente se encontrou com o mandatário Sérgio Sette Câmara e disse que valeria a pena tentar a contratação do meio-campista na Ilha do Retiro. O presidente escutou o conselho do amigo e autorizou a negociação com os pernambucanos.

"Falei com o presidente: 'tem um jogador do Sport, chamado Jair'. Aí o Sérgio se interessou. E falei para ele que, por coincidência, tínhamos um crédito com o Sport. Fizemos abordagem e aconteceu o seguinte. Ele não recebia salários, contrato estava sendo questionado, mas optamos por fazer contato com o Sport. Nesse período, ele conseguiu uma liminar desvinculando do Sport e nós fizemos um pré-contrato. Fizemos um pré-contrato na condição que a sentença fosse mantida. O presidente disse: 'queremos negociar com o Sport também'. Foi uma ordem dele [presidente do Galo], negociamos", afirmou.

Com o acordo desenhado, Jair chegou à Cidade do Galo e se tornou reserva em um primeiro momento. A intenção era que ele fosse o opção em relação a alguns importantes nomes do setor - Adilson, Zé Welison, Gustavo Blanco e Elias. Neste período, Lásaro Cândido relata que precisou escutar críticas sobre a contratação do atleta.

"Contratamos um jogador que veio quase a custo zero para o Atlético. Eu, ouvindo alguns comentaristas esportivos, quando contratamos, teve gente que falou que era um jogador que caiu para a segunda divisão. Eu falei para o Sérgio: 'eu acredito nele, esse jogador joga muito'. Ouvi em rede social gente questionando e tive que esperar", contou.

A espera durou pouco mais de seis meses. Em julho, ele virou titular da equipe após a aposentadoria de Adilson e a má fase de Zé Welison. Em dois jogos, já era comparado a Gilberto Silva pelo presidente Sérgio Sette Câmara. Hoje, Jair é titular absoluto do Galo e, desde que ganhou a primeira sequência entre os prediletos do técnico, não sabe o que é perder - são sete vitórias e um empate.

"Ele, além de tudo o que tem feito em campo, é um rapaz muito correto, dedicado e profissional", concluiu Lásaro.

Atlético-MG