Topo

Seleção Brasileira


Como Cebolinha "ajudou" Vinicius Jr a ter nova chance na seleção brasileira

Bruno Grossi e Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Paulo

17/08/2019 04h00

Vinícius Júnior foi a sensação de uma temporada ruim do Real Madrid em 2018/19. Em seu melhor momento pelo clube espanhol, foi convocado para a seleção brasileira, mas acabou frustrado por uma lesão no tornozelo direito e foi cortado dos amistosos de março, na Europa. Ontem, enfim, ele teve sua segunda chance com Tite e contou com um pouco de sorte para ganhá-la.

Em tese, Vini ocupou a vaga que seria de Everton, do Grêmio. E Cebolinha seria convocado se tivesse sido negociado ou se o Grêmio não estivesse na semifinal da Copa do Brasil. Como Tite decidiu não desfalcar nenhuma equipe que ainda está na competição (Cruzeiro, Internacional e Athletico Paranaense), essa lacuna foi aberta.

Tite também não pôde chamar Gabriel Jesus, que cumpre suspensão de dois meses por ter sido expulso na final da Copa América, para os amistosos contra Colômbia e Peru, marcados para setembro nos Estados Unidos. A princípio, a ideia era levar Pedro para ser o centroavante reserva de Roberto Firmino, mas o jogador do Fluminense sofreu lesão muscular no último fim de semana.

Tite mantém Neymar e convoca Bruno Henrique e Vinicius Júnior

UOL Esporte

Sem nenhum desfalque, Tite levaria quatro remanescentes da Copa América: Firmino, Jesus, Richarlison e Cebolinha. Neymar voltaria ao posto que cedeu a Willian no torneio. David Neres, que fecharia o sexteto campeão, perderia espaço para Bruno Henrique, do Flamengo.

No fim das contas, a série de desfalques ajudou Neres a se manter entre os convocados e Vinícius Júnior a "furar a fila" de Tite. O curioso é que Neres só estreou na seleção antes de Vini porque o atacante do Real Madrid se lesionou em março. Neres, que crescia com o Ajax na Liga dos Campeões, entrou bem e chegou a ser titular na Copa América, antes de cair de rendimento.

Vinícius Júnior agora inicia a temporada com dois grandes testes: retomar o alto nível pelo Real, como foi no início deste ano, e convencer Tite de que está maduro para integrar a seleção principal. Por enquanto, ele é uma aposta provisória entre os mais velhos, mas um ponto de segurança para os planos da seleção olímpica.

Mais Seleção Brasileira