Topo

Neta pede, e Coritiba monta aparato para avô doente ver partida no estádio

Paola ao lado da avó, do avô Andrei e da mãe; família é composta por torcedores do Coritiba - Arquivo pessoal
Paola ao lado da avó, do avô Andrei e da mãe; família é composta por torcedores do Coritiba Imagem: Arquivo pessoal

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL, em São Paulo

15/08/2019 04h00

Um pedido despretensioso virou um belo presente de Dia dos Pais para Andrei Walter, 71 anos, avô da igualmente torcedora do Coritiba Paola Milacki, 20. Paciente com enfisema pulmonar, "seo" André, como é mais conhecido, raramente pode deixar a residência da família, em Curitiba, por conta da necessidade de contar sempre com um tubo de oxigênio para respirar. Mas graças à neta, pode ir ao Couto Pereira para assistir a uma vitória do seu time do coração.

No dia 1º de agosto, Paola usou sua conta pessoal no Twitter para manifestar a vontade de levar o avô no estádio.

O clube ficou sabendo da intenção de Paola e se mobilizou para permitir o acesso do torcedor, com o devido amparo médico. Assim, avô e neta puderam assistir juntos à vitória por 2 a 0 sobre o Figueirense, em jogo disputado no último sábado (10), válido pela Série B.

"Fazia um tempo que parte da família não se reunia assim, e acho que fez muito bem para ele, psicologicamente. A gente cria uma visão errada de que idoso é muito debilitado para qualquer coisa, mas esse tipo de atividade ajuda bastante para a recuperação deles ou até para não se sentirem sozinhos ou insuficientes", disse a estudante, em contato com o UOL Esporte.

"Foi uma experiência muito boa. Fazia um ano e meio que não saía de casa, fora ir para hospital. Ficar com a família e ainda ver uma vitória do Coxa foi a melhor coisa desses últimos tempos. Minha família é meu pé de coelho, tive muita sorte", brincou Walter, em mensagem repassada pela neta.

O Coritiba se tornou uma ligação entre ambos desde que Walter passou a morar com a família, quando Paola já tinha 15 anos.

"Eu sou coxa-branca por influência do meu pai. Faz um tempo que minha mãe falou que meu avô ficava no quarto assistindo aos jogos do Coxa, e eu comecei a ir no quarto dele depois que chegava do jogo para a gente conversar sobre. Aí eu percebi que ele acompanhava de verdade, e já estávamos vendo como levaríamos ele para assistir. Então, o Coxa divulgou que os lugares no setor social estavam R$ 30, e lá a gente pensou que seria melhor, porque não tem tanto tumulto e ficaria mais confortável", contou.

Não foi a primeira iniciativa do clube em aproximar seu torcedor da rotina de jogos do time. O Coxa reduziu o preço dos ingressos em promoções que podem chegar a R$ 5 por partida em determinados setores do estádio. O resultado é um salto de quase 24 mil pessoas a mais por partida em relação ao Estadual: de 4.464 por jogo no Paranaense para 28.608 na Série B. Na competição nacional, o alviverde é vice-líder, com dois pontos a menos do que o Bragantino.

Procurado para comentar a iniciativa, o Coritiba se manifestou em nota enviada pela assessoria de imprensa: "Estamos sempre buscando aproximar nossos torcedores do clube, querendo integração maior da família coxa-branca".

Muralha é cercado por torcedores do Coritiba em shopping

UOL Esporte