Topo

Com ingresso popular, Coritiba tem 3ª média de público das Séries A e B

Divulgação/Coritiba
Imagem: Divulgação/Coritiba

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

16/07/2019 11h01

De uma média de público de pouco mais de 4 mil pessoas por jogo durante o Estadual, pior que as do rival Athletico e até do Cascavel, o Coritiba passou a ser o terceiro clube a mais levar torcedores ao estádio no Brasileirão, somadas as Séries A e B, à frente de Palmeiras, São Paulo e outros 16 clubes da elite brasileira, de quebra levando 21 mil pessoas a mais que o Furacão, considerados cada um de seus jogos na Série B.

O segredo? Ingressos populares. Contra a Ponte Preta, o Coxa definiu ingressos grátis para quem se cadastrasse no site, com a ideia de homenagear o então recém falecido ídolo Dirceu Kruger; levou 31.167 pessoas. Nos três jogos seguintes, contra Londrina, Cuiabá e Paraná, fez uma promoção com um pacote de ingressos a R$ 15 pelos três jogos. Públicos de 33, 37 e 35 mil pessoas foram ao Couto Pereira, respectivamente. A média ficou em 34.361, mais de oito vezes maior que as 4.464 pessoas que viram a campanha no Paranaense.

A estratégia foi repetida para os próximos jogos no Couto Pereira. Já nesta terça, contra o São Bento-SP, o mesmo pacote está à venda. Por R$ 15, o coxa-branca pode acompanhar o duelo com o Bentão e ainda os jogos contra Vila Nova e Botafogo-SP.

A renda, entretanto, é um mistério. Por um acordo com a Federação Paranaense, que recebe taxas conforme o descrito em borderô, o valor dos ingressos atribuídos é de R$ 10, mínimo que consta em regulamento. A FPF fica com 5% da renda total. Contra o Cuiabá foram 37.220 pagantes. Entre receitas e despesas, somado o valor de R$ 10 - o dobro do valor "real" do ingresso, excetuando-se os sócios, o clube declarou arrecadar R$ 424.519,00, com despesas de R$ 168.242,45, resultando numa receita declarada de R$ 217.645,43.

Para efeito de comparação, sete dias antes o Athletico recebeu o Corinthians na Arena da Baixada, com ingressos de arquibancada a R$ 150. Foram 18.284 pagantes e uma arrecadação de R$ 612.385,00, mas com receita líquida de R$ 279.205,35, cerca de 60 mil a mais que o Coxa. Se projetados os R$ 5 extras "custeados" pelo Coritiba, a arrecadação fica em R$ 60.370,43. A mecânica de atribuir valor mínimo de R$ 10 para sócios também é adotada pelo Athletico.

Adesão fez diretoria repetir sequência e celebrar pacificação

O Coxa estudou o cenário e manteve a promoção após a Copa América, ainda que internamente haja uma discordância quanto ao valor do ingresso de R$ 5, considerado exageradamente baixo. A reportagem tentou uma entrevista com o presidente Samir Namur, que não atendeu ao pedido. Entretanto, o clube se manifestou oficialmente sobre o tema através da assessoria de imprensa.

"A partir da mobilização para a estreia da competição, no jogo que ficou marcado pela homenagem ao Krüger, o clube optou por incentivar um trabalho de reaproximação do torcedor, trazendo-o de volta ao estádio com a campanha Rumo ao Alto da Glória. Assim foi lançada a promoção de ingressos, projetando então o foco em receitas alternativas devido ao grande volume de pessoas nas partidas. A resposta popular trouxe uma nova demanda de atendimento, e um desafio à estrutura do clube, em poder atender um alto número de torcedores em quatro partidas consecutivas. Esse cenário trouxe também perspectivas positivas e abre um caminho de possibilidades para o aumento de receita no segundo semestre", diz a nota.

O clube não passou números oficiais, mas estima uma receita 300% maior com a medida do que vinha tendo nos jogos do Paranaense, incluindo a movimentação de bares, nos quais recebe pelo consumo de cerveja artesanal, ainda que tenha terceirizado o serviço.

Além disso, fechou um patrocínio de eventos e de camisa com uma rede de hambúrgueres a partir da medida, em valor não publicitado, mas estimados em cerca de R$ 2 milhões. Há ainda o capital político celebrado pelo clube, que vive em ambiente de cobrança desde a queda para a Série B há dois anos, e o não acesso em 2018. A organizada exibiu faixas de protesto durante os jogos.

Em campo, o Coxa somou 7 pontos dos 12 disputados com casa cheia, vencendo Ponte Preta e Cuiabá, empatando com o Londrina e perdendo para o Paraná.

Coritiba