PUBLICIDADE
Topo

Fla gastou R$ 150 milhões em reforços, mas ainda busca solução para ataque

Bruno Henrique e Gabigol comemoram gol do Flamengo contra o Fluminense - Alexandre Vidal / Flamengo
Bruno Henrique e Gabigol comemoram gol do Flamengo contra o Fluminense Imagem: Alexandre Vidal / Flamengo

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

13/07/2019 04h00

Depois de deixar encaminhado o anúncio do meia Gerson - o oitavo reforço da temporada -, o Flamengo ainda busca um centroavante para considerar o elenco fechado. A posição foi, até o momento, a única das apontadas pela atual comissão técnica que não ganhou um novo nome.

Vale lembrar que há a expectativa em relação à chegada do lateral-esquerdo Filipe Luis, porém, caso as tratativas não se concretizem, a tendência inicial é que a posição permaneça com as opções atuais: Renê e Trauco.

De acordo com o balancete do primeiro trimestre deste ano, foram investidos quase R$ 140 milhões em reforços. O mais caro foi Arrascaeta, em quem o cube se comprometeu a desembolsar R$ 80 milhões, além de Rodrigo Caio, Bruno Henrique, Gabigol e a renovação com o meia Diego.

Nesta janela do meio do ano, foram investidos cerca de 10 milhões de euros (cerca de R$ 42 milhões) para contar com Gerson e 1,3 milhão de euro (aproximadamente R$ 5,5 milhões) para acertar com o zagueiro Pablo Marí, que tinha vínculo com o Manchester City, da Inglaterra.

Recentemente, o Flamengo ofereceu 10 milhões de euros (cerca de R$ 42 milhões) para ter 70% dos direitos do atacante Pedro, do Fluminense. Após recusa, chegou a existir a possibilidade de uma nova investida, desta vez, de 12 milhões de euros (R$ 51 milhões, aproximadamente), mas não houve conversas com o Tricolor, que só aceita negociar pelo valor da multa rescisória, de 50 milhões de euros (cerca de R$ 210 milhões).

O técnico Jorge Jesus, desde a chegada ao Rubro-Negro, afirmou que gostaria de atuar com dois jogadores de referência à frente, o que aumentaria a necessidade de opções no elenco. Além disso, deu indícios de que, talvez, analise Gabigol atuando mais pelas pontas, com liberdade, do que propriamente como um camisa 9.

Tal questão envolvendo já havia sido levantada por Abel Braga, que iniciou a temporada no comando do time e pediu demissão em maio. O atacante, porém, conseguiu uma boa sequência, com média de gols satisfatória, e se firmou na posição. Uma prova de que ele era visto como o centroavante para 2019 foram as vendas de Henrique Dourado para o Henan Jianye, da China, e Uribe para o Santos.

Atualmente, a dupla de frente do Flamengo é formada por Gabigol e Bruno Henrique, que vem se adequando ao novo formato.

Flamengo