Topo

Futebol


Modelo detalha acusação de estupro: "Pedi para Neymar parar, ele não parou"

Do UOL, em São Paulo

05/06/2019 20h32

A modelo Najila Trindade Mendes de Souza, que acusa Neymar de estupro, afirmou, hoje, em entrevista ao SBT Brasil, que pediu para o jogador parar o ato sexual, mas que ele não parou.

"Ele (Neymar) me virou, cometeu o ato, e eu pedi para ele parar. Enquanto ele cometia o ato, ele continuava batendo na minha bunda violentamente. Eu virei depois, tudo muito rápido, em questão de segundos, depois me virei. Eu falei 'para, para, não'. Eu falei. Ele não se comunicava muito, ele só agiu", disse.

Veja, abaixo, a versão de Najila sobre o ocorrido.

Modelo explica rompimento com ex-advogado

Fui vítima de estupro. Agressão juntamente com estupro.

Primeiro que ele (ex-advogado) não estava acreditando totalmente em mim, e eu senti preconceito da parte dele. Porque ele disse para mim: 'é, você vai ter que cortar a unha, teremos que levar isso para frente'. Deu a entender que 'você não foi estuprada, você fez porque quis, então não vou colocar essa parte. Eu tenho as provas, você me mostrou as provas da agressão, que foram as fotografias'. Acho que ele só acreditou porque ele viu a foto que o próprio Neymar mandou para mim, machucada.

Como a modelo e Neymar se conheceram

Através de uma rede social, no Instagram. Eu mandei uma imagem para ele, não era um nude meu. Era um texto. E ele respondeu. Nós começamos a trocar mensagens. Depois de um tempo, ele pediu meu WhatsApp, e eu passei.

Quando as conversas com cunho sexual começaram? Naquele momento no WhatsApp. Meu intuito era ter uma relação sexual com ele.

Quem pagou a passagem e as despesas do hotel? Ele (pagou a passagem). Ele (do hotel). Era intuito sexual, desejo meu, ficou até claro isso para ele. Eu fui com a passagem. Levei (dinheiro meu). Fui com expectativa de ficar, encontrar com ele e realizar um desejo meu. Obviamente, sim, estava preparada (para a relação sexual).

Najila Trindade Mendes de Souza acusa Neymar de estupro - Reprodução/SBT
Najila Trindade Mendes de Souza acusa Neymar de estupro
Imagem: Reprodução/SBT

Como foi o encontro com Neymar

Eu vou pro hotel, ele me manda mensagem falando que ia para uma festa e que ia passar antes para me dar um beijo, cumprimentar, antes de ir para a festa.

Eu tinha um desejo de ficar com Neymar. Quando cheguei lá, estava tudo bem, tudo legal, eu ia conseguir. Mas quando cheguei lá, ele estava agressivo, totalmente diferente daquele cara que conheci nas mensagens. Até aí, tudo bem. Como tinha muita vontade de de ficar com ele, falei: 'vou tentar manejar aqui'.

A gente começou a trocar carícias, ficar, se beijar. Aí ele me despiu, até aí foi consensual, tudo bem. Depois, ele começou a me bater: nos primeiros, eu falei 'ok, estava tudo certo', mas aí começou a machucar muito.

Eu falei 'para, está doendo'. Ele falou 'desculpa, linda'. Ok, continuamos. Deitados na cama, rolando, eu falei: 'você trouxe preservativo? Porque eu não tenho'.

Ele disse que não, e eu falei que não aconteceria nada além daquilo, porque não podemos. Ele não respondeu nada, e nós continuamos.

Ele me virou, cometeu o ato, e eu pedi para ele parar. Enquanto ele cometia o ato, ele continuava batendo na minha bunda violentamente. Eu girei depois, tudo muito rápido, em questão de segundos, depois me retirei.

Eu falei 'para, para, não'. Eu falei.

Ele não se comunicava muito, ele só agia.

Estava (preparada para relação sexual consensual).

Quando deixou de ser consensual segundo ela

A partir do momento em que ele se tornou agressivo, a partir do momento que perguntei se ele tinha levado preservativo, ele falou que não, e eu disse que 'não podemos (fazer sexo). Só vamos trocar carícias'.

E ele concordou. Com o silêncio, eu entendi concordância. Quando ele me virou, ele já foi cometendo o ato, ele não entrou em um acordo comigo. Ele ficou calado, então, para mim, ele tinha entendido que não iriamos além daquilo que estávamos fazendo.

Ele me segurou violentamente, me batendo, me obrigando a ficar lá. Foi sem preservativos que aconteceu a relação sexual.

Quando saí da cama, fui pro banheiro, não acreditei. Foi uma decepção. Não consegui falar, xingar, chorar, nada. Só fiquei em estado de choque.

Depois, ele levantou, foi para o banheiro e, quando entrou por uma porta, eu saí pela outra.

Por que continuou conversando com o Neymar? Porque primeiro que tive que assimilar tudo. Todo o acontecimento. Quando ele saiu do quarto, eu comecei a entender tudo que aconteceu comigo e como ele foi estúpido, como ele foi ruim, como ele me violou e me violentou, eu quis fazer justiça.

Neymar, durante treino da seleção brasileira - Lucas Figueiredo/CBF
Neymar, durante treino da seleção brasileira
Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Modelo nega extorsão e quer justiça

Não acho que só porque estava a fim de ficar com ele que ele tinha que fazer aquilo comigo. No primeiro momento, não consegui reagir devido aos traumas, mas depois eu sabia que, se não falasse com ele normalmente, fingindo que eu não tinha entendido o que aconteceu, ele não iria mais falar comigo. Não teria como provar o que ele fez comigo.

O pai do Neymar relata que sofreu uma tentativa de extorsão - Da minha parte, não (tentativa de extorsão). Fiquei sabendo. Comecei a desconfiar disso no momento em que ele (ex-advogado) não deixava eu dar queixa. Inclusive, porque tomei essa decisão (de ir à polícia), ele decidiu abandonar o caso.

Você tinha conhecimento que tinha sido pedido uma indenização ao pai do Neymar? Não, ele falou que ia fazer uma reunião com advogados dele (Neymar) para falar e levar até eles o que estava acontecendo. Não (tinha expectativa de receber compensação financeira). Eu quero justiça, ele (Neymar) me fez muito mal, e estou traumatizada até hoje por isso. Quero que ele pague pelo que ele fez.

Eu tenho consciência que o que aconteceu representa para mim uma questão de honra. Ele não precisava ter feito aquilo comigo. Eu já estava ali para isso, para aquilo, era um desejo meu, sou livre, desimpedida, iríamos ficar, eu ia voltar para casa e está tudo certo.

Mais Futebol