PUBLICIDADE
Topo

Zidane encerra temporada sem encanto e pressionado por fiascos do Real

Zidane, técnico do Real Madrid, em partida contra o Huesca - Javier Soriano/AFP
Zidane, técnico do Real Madrid, em partida contra o Huesca
Imagem: Javier Soriano/AFP

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

24/05/2019 04h00

Zinedine Zidane chegou ao Real Madrid para dar um fim digno de temporada. Não deu. Em praticamente três meses de trabalho, o francês perdeu a imagem imaculada de treinador construída pelos três títulos de Liga dos Campeões consecutivos, algo inédito na história do futebol europeu. Os resultados ruins e a falta de padrão já pressionam o ex-camisa 5 do clube.

Zizou acabou como o representante final da temporada ruim do Real. Em todas as competições, o gigante clube de Madri somou 18 derrotas, o maior número em 20 anos. Foram 12 resultados negativos somente no Campeonato Espanhol, quatro deles sob o comando do francês.

A imagem de Zidane termina arranhada especialmente pelos dois últimos compromissos: derrotas para Real Sociedad, fora, e Betis, em pleno Santiago Bernabéu. O revés em casa diante do time de Sevilla terminou sob um clima de protestos e vaias sobre a equipe comandada pelo treinador, que necessita de respostas imediatas logo no início da próxima temporada.

Nestes três meses, o técnico, que chegou para dar um fim digno a uma jornada frustrante, falhou ao tentar reagir um elenco abatido. De acordo com o jornal Marca, os atletas encontraram um Zidane mais distante dos jogadores e pouco comunicativo neste início de segunda passagem, postura completamente diferente ao agregador que chegou ao topo da Europa.

Zidane Bale - David S. Bustamante/Getty Images - David S. Bustamante/Getty Images
Zidane e Bale seguiram com a relação tensa da primeira passagem; galês deve deixar o clube
Imagem: David S. Bustamante/Getty Images

Questiona-se na Espanha também a postura do treinador para com o lateral Marcelo. O brasileiro, que perdera a posição de titular para Sergio Reguilón com Santiago Solari, recuperou o posto sem "menores explicações", como diz o Marca. Esta escolha baseada no passado do camisa 12 gerou mal-estar e trouxe questionamentos imediatos ao trabalho de Zizou.

Se Marcelo acabou beneficiado, dois nomes perderam espaço com Zidane. O primeiro foi Vinícius Júnior. Titular antes de se machucar, o jovem brasileiro teve poucas oportunidades e, inclusive, se afastou da briga por um lugar na Copa América. O ex-flamenguista acabou fora dos 23 convocados por Tite.

Já Gareth Bale, que já nutria uma relação conturbada com Zidane na primeira passagem, perdeu a chance de inclusive se despedir do Santiago Bernabéu. Diante do Betis pela última rodada do Espanhol, o galês permaneceu os 90min no banco de reservas. O atacante é um dos "medalhões" destinados a deixar a capital espanhola no verão.

A esperança para Zidane se encontra no mercado de transferências e a provável chegada de Eden Hazard. O craque belga do Chelsea tem o francês como ídolo de infância e era o alvo principal do treinador há pelo menos dois anos. O jogador tem acordo com o Real segundo o L'Équipe, mas só anuncia na próxima semana o destino para 2019-2020.

Zizou torce pelo "sim" de Hazard para ajudar a recuperar a imagem imaculada e iniciar uma nova perspectiva para o Real Madrid. A chegada de Hazard, nome aprovado pelo treinador, serve como ponto de partida para a mudança esperada pelo torcedor exigente do clube merengue.

Real Madrid