Topo

Como Goulart foi de grande aposta do Palmeiras a saída repentina em 4 meses

Ricardo Goulart foi apresentado à torcida do Palmeiras no Allianz Parque em janeiro - Ale Cabral/AGIF
Ricardo Goulart foi apresentado à torcida do Palmeiras no Allianz Parque em janeiro Imagem: Ale Cabral/AGIF

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

24/05/2019 04h00

O anúncio da rescisão de contrato de Ricardo Goulart com o Palmeiras na tarde de ontem pegou de surpresa os torcedores, que esperavam vê-lo defendendo as cores do clube no segundo semestre, após se recuperar da última lesão que teve no joelho. Mas a passagem do jogador - que começou o ano como grande aposta da diretoria, teve um ótimo início em campo e depois sofreu com questões físicas e atuações irregulares - foi repentinamente encerrada graças a um desejo do Guangzhou Evergrande, que detém os direitos do atleta.

A curta história de Goulart no Palmeiras acabou sendo um caso de expectativas frustradas. Grande desejo da diretoria em mais de uma janela de transferências e amigo pessoal do diretor Alexandre Mattos, o meia chegou ao clube em janeiro com status de contratação "galáctica". Foi apresentado à torcida no gramado do Allianz Parque, recebeu a histórica camisa 11 e ganhou elogios de todos os lados, desde o presidente Maurício Galiotte até o técnico Luiz Felipe Scolari, com quem foi multicampeão na China.

Dentro de campo, a arrancada de Goulart atendeu todas as previsões sobre seu futebol. No primeiro jogo como titular, já foram dois gols e uma assistência diante do Ituano. Duas semanas depois, mais duas assistências e um gol contra o Melgar, na Libertadores. A qualidade individual perto do gol ficou evidente, comprovando o diagnóstico da diretoria e da comissão técnica de que se tratava de um jogador decisivo.

Aos poucos, porém, alguns problemas foram aparecendo. A lesão crônica de cartilagem que Goulart desenvolveu durante os anos no futebol chinês, causada por uma sobrecarga no compartimento lateral do joelho, exigia que ele passasse por um cronograma especializado de preparação, com constantes trabalhos de fortalecimento na musculatura. Ele chegou a ficar fora de algumas partidas por isso.

Goulart fez 12 jogos e quatro gols pelo Palmeiras até sofrer nova lesão no joelho - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Goulart fez 12 jogos e quatro gols pelo Palmeiras até sofrer nova lesão no joelho
Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Depois do ótimo início, o nível técnico das atuações também foi caindo. Com Goulart atuando praticamente como um segundo centroavante, muitas vezes a equipe ficava previsível, sofrendo para criar chances claras e dependendo muito de ligações diretas. O último gol do camisa 11 veio em 26 de março, na goleada contra o Novorizontino pelas quartas de final do Paulistão. Depois, foram mais quatro partidas com desempenho bem tímido, inclusive perdendo pênalti na eliminação para o São Paulo na semifinal do estadual.

O último ato de Goulart foi na estreia do Campeonato Brasileiro. Ele durou apenas oito minutos em campo, após torcer o joelho logo no início da partida. A entorse causou uma rotura do menisco e ele precisou passar por uma nova artroscopia. A lesão foi grave e exigiu a retirada de boa parte do menisco, mas a previsão do departamento médico do Palmeiras era de que ele voltaria sem limitações a partir do segundo semestre.

Todas essas expectativas criadas sobre Goulart, porém, foram abruptamente cortadas com a notícia de que ele estava voltando para a China. O Guangzhou solicitou o retorno do jogador, ídolo do clube, oferecendo mais cinco anos de contrato e um vultoso aumento salarial. Além disso, compensaria todos os valores gastos pelo alviverde com a contratação. Dadas as condições do negócio, o Palmeiras não ofereceu muita resistência. De repente, Ricardo Goulart não era mais jogador do clube.

Em meio a tudo isso, o Palmeiras conseguiu algumas de suas melhores atuações na temporada justamente quando Goulart não estava em campo. A lesão do camisa 11 acabou abrindo espaço para a ascensão de Zé Rafael, hoje um dos titulares em melhor fase no time. O Verdão apostou em Goulart para ser sua peça mais decisiva em 2019, mas as coisas não aconteceram como o esperado. Com essa mudança de rota no meio da temporada, cada um, agora, segue seu caminho.

Palmeiras