PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Deyverson explica "fico" no Palmeiras: "Não vou sair pela porta dos fundos"

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

25/02/2019 16h14

Deyverson veio a público para tentar explicar as confusões que se envolveu nos últimos dias no Palmeiras. Em um pronunciamento seguido de uma entrevista limitada a apenas três perguntas para os jornalistas hoje à tarde, o atacante afirmou que não era a hora de sair do clube e não quis nem garantir que não voltará a cometer deslizes.

O atacante foi suspenso no clássico após a cusparada na cara de Richard, do Corinthians, e esgotou a paciência da diretoria. Alexandre Mattos foi até a Europa, conseguiu uma proposta de 15 milhões de euros do futebol chinês, mas esbarrou na recusa do camisa 16, apesar do salário ofertado ser quatro vezes o que ele ganha na Academia de Futebol.

"Quero pedir desculpas ao presidente, ao Palmeiras e aos torcedores por algumas coisas que eu venho fazendo e não agradou a ninguém", iniciou o atacante.

"Surgiu o projeto de eu ir para a China, mas falei com Felipão e ele me perguntou se eu poderia ser inscrito na Libertadores. A decisão de ficar foi minha, conversei com a família e entendo que devo muito ao Palmeiras. Fui muito criticado, dei a volta por cima e acho que agora não era o momento. Quero sair pela porta da frente. Optei por ficar, estou feliz e amo o Palmeiras. Eles têm razão em me punir, mas faltou dedicação", completou.

Deyverson explica decisão de permanecer no Palmeiras

UOL Esporte

Deyverson ainda se viu envolvido em outra confusão no último fim de semana. Um vídeo gravado por ele para seus amigos se despedindo e com a frase "Partiu, China" circulou entre os torcedores. Horas depois, ele precisou voltar a se pronunciar para afirmar que aquilo era uma brincadeira entre amigos.

Curiosamente, Deyverson falou mais de uma vez que não poderia garantir que não voltaria a errar, porque todos humanos estão sujeitos a isso.

"Por conta deste erro contra o Corinthians, eu até liguei para o Richard e pedi desculpa. Eu sei que foi um erro grave. Mas se eu disser que amanhã eu não vou cometer outro erro eu estou mentindo. Somos passíveis de erros. Minha família sofreu, o Palmeiras sofreu e os meus companheiros também, porque sabem que sou bom de coração. Amanhã, eu posso errar porque sou humano. Mas estou arrependido e sei que faço falta", afirmou.

"Vou fazer o possível para melhorar, estou conversando com a psicóloga do clube, que tem me ajudado muito", finalizou.

Palmeiras