PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Setor congestionado e promessa reduzem chances de reforços do Inter

Rithely disputou apenas duas partidas na temporada 2019 pelo Inter - Ricardo Duarte/Inter
Rithely disputou apenas duas partidas na temporada 2019 pelo Inter Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

23/02/2019 04h00

O setor defensivo do meio-campo foi um dos alvos do Inter ao contratar para a temporada 2019. Chegaram Matheus Galdezani e Rodrigo Lindoso, além da permanência de Rithely, que já estava no clube no ano passado mas não havia estreado em razão de uma lesão. Mas o "congestionamento" e a ascensão de Nonato tornam as vidas dos que chegaram por último bastante concorridas. 

Galdezani se lesionou no dia em que realizava o primeiro treinamento. Não poderia de forma alguma estar jogando. Passou por cirurgia e volta apenas no segundo semestre ao convívio do elenco. 

Já Rithely e Lindoso não tiveram muitas chances. O ex-Sport foi contratado em 2018 e realizou cirurgia no tornozelo esquerdo e toda recuperação no Inter. Após alguns percalços o processo de volta aos gramados, ele está apto a disputar posição, conseguiu estrear, mas não soma minutos de sobra. O volante de 28 anos esteve em campo apenas por 180 minutos, um total de dois jogos, ambos quando apenas reservas atuaram.

Já Rodrigo Lindoso, egresso do Botafogo, chegou no princípio da temporada e teve contratação comemorada nos bastidores. A possibilidade de contar com ele animou direção e comissão técnica. Mas faltam oportunidades. Aos 28 anos, ele também esteve em campo por 180 minutos, dois jogos, ambos acompanhando pelo time suplente. 

A falta de chances no time se dá pela concorrência no centro de campo. Ainda com o 4-1-4-1 como formação preferencial, o Inter utiliza Rodrigo Dourado como primeiro marcador na equipe de cima. A dupla postada logo à frente é Edenílson e D'Alessandro, podendo ser alterada com a entrada de Patrick. 

E por último, outro jogador apareceu na mesma faixa de campo: Nonato. A ascensão da promessa de 20 anos já o posiciona à frente na disputa. Ele foi titular contra o Caxias, na última rodada, e vive expectativa de fazer o segundo jogo no domingo, contra o Avenida. 

A alteração de sistema proposta por Odair Hellmann poderia significar mais chances, mas pouco tem variado na nominata. Enquanto Edenílson e Dourado seguem absolutos, com pouca variação por preservação ou suspensões, D'Alessandro é avançado e Neilton é quem tem entrado no time, com o posicionamento de Nico López variando. E até mesmo Rafael Sobis surge com maior possibilidade. 

"Nossas variações, trabalhamos desde o ano passado, elas estão consolidadas. Perdemos algumas peças, mas colocamos jogadores nas funções para ver o equilíbrio que dá ao coletivo. Às vezes se acha que colocar muitos atacantes se torna ofensivo, e acaba não tendo força ofensiva nem sendo equilibrado. Não se produz no ataque e se é vulnerável. E às vezes quando se fortalece mais o meio-campo, como nós no ano passado, não se fica defensivo. Com o mesmo sistema éramos propositivos em casa, e uma postura mais defensiva fora de casa. A estratégia era diferente com o mesmo sistema, depende muito da estratégia independente do jogo. O futebol é equilíbrio, defendendo e atacando", disse o treinador do Colorado. 

Enquanto tentam ganhar espaço em treinamentos, Lindoso e Rithely esperam melhor avaliação, que pode surgir forçada pela necessidade. Com o início da Libertadores, o time reserva deve ser reposto em campo e ambos poderão mostrar serviço. 

Internacional