PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Flamengo muda rota e inicia ano com reforços de peso e grupo "fechado"

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

17/01/2019 04h00

Em poucos dias de gestão, a nova direção do Flamengo mudou a rota do que vinha acontecendo nos anos anteriores. Seja por ter mais dinheiro em caixa ou por uma simples mudança de postura no mercado, o time começa a temporada com grandes astros contratados e mais perto de ter o elenco próximo do imaginado pela cúpula do futebol.

Presidente do clube entre 2013 e 2018, Eduardo Bandeira de Mello teve de controlar os gastos para organizar o clube e só começou a fazer investimentos mais pesados no futebol a partir de 2015, quando o clube tirou Guerrero do Corinthians, em maio de 2015.

Além de ter simbolizado a mudança de patamar do Flamengo sob o ponto de vista financeiro, o peruano inaugurou uma era de grandes nomes no elenco rubro-negro. Além da qualidade técnica, todos têm em comum o fato de terem chegado com a temporada em andamento.

Quem desembarcou na Gávea em julho do ano seguinte foi Diego. Após passagem pelo Fenerbahçe, o jogador retornou ao Brasil com status de estrela depois de 12 anos longe do país. O início foi animador, mas o jogador, que vinha de temporada na Europa, sentiu o desgaste na reta final de 2016.

"Sem dúvida nenhuma que nos reforçamos de maneira contundente agora, a diretoria fez esforço gigante. Temos que uma formar equipe forte, humilde e com objetivos claros de vencer, não apenas um grupo de bons jogadores", disse Diego, que negocia a prorrogação do vínculo com o Rubro-negro até dezembro de 2020.

A história se repetiu com Éverton Ribeiro, contratado em junho de 2017. O camisa 7 chegou sob grande expectativa, ganhou festa no aeroporto, mas também sentiu as dificuldades por ter vindo do Al-Ahli, dos Emirados Árabes. Desentrosado e sem uma pré-temporada com o elenco, o meia só deslanchou a partir de 2018. Com um intervalo de um mês, o Flamengo anunciou a chegada de Diego Alves. Outra contratação muito festejada, o goleiro logo assumiu a vaga de titular, mas conviveu com lesões.

"Era uma equipe forte e que agora se fortalece ainda mais. Quem tem a ganhar isso é o nosso time. Vamos trabalhar forte porque a concorrência vai ser grande ", analisou Éverton Ribeiro.

Último grande nome que chegou antes das vindas de Rodrigo Caio, Gabigol e De Arrascaeta, Vitinho também foi prejudicado ao iniciar sua trajetória com os campeonatos em andamento. Apresentado em julho do ano passado, o ex-jogador do CSKA sentiu a falta de ritmo e chegou a ser vaiado por muitos torcedores no Maracanã.

Junto aos demais astros e com o fôlego renovado, terá a chance de recomeçar no princípio de um ano que mal começou e já está marcado pela fome de títulos da torcida rubro-negra.

Futebol