PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Atlético-MG tem 2018 turbulento e só vaga na Libertadores salva ano difícil

Nova gestão foi bastante pressionada em 2018 e terminou o ano sem Alexandre Gallo - Victor Martins/UOL Esporte
Nova gestão foi bastante pressionada em 2018 e terminou o ano sem Alexandre Gallo Imagem: Victor Martins/UOL Esporte

Do UOL, em Belo Horizonte

31/12/2018 04h00

O Atlético-MG viveu uma temporada de altos e baixos em 2018. Diferentemente de últimos anos, a equipe não apostou em grandes nomes e tratou de enxugar os gastos. Em seu primeiro ano como presidente, Sérgio Sette Câmara iniciou um projeto de austeridade no clube, mas sofreu com o futebol aquém do esperado, eliminações traumáticas e declarações que não caíram nada bem. No fim, time e torcida se contentaram com a vaga na pré-Libertadores de 2019.

De janeiro a dezembro, o Atlético teve três diferentes técnicos e perdeu Bebeto de Freitas, que fazia parte da diretoria e morreu vítima de uma parada cardíaca. Ainda realizou mudanças na diretoria de futebol, hoje comandado pelo ex-atacante Marques.

Além disso, o time também sofreu algumas modificações, principalmente após a Copa do Mundo, gerando irregularidades que comprometeram o desempenho e quase tiraram a presença alvinegra na Libertadores. Veja abaixo alguns momentos do Galo na temporada:

Início turbulento com Oswaldo de Oliveira

Oswaldo de Oliveira no Atlético-MG - Reprodução/SporTV - Reprodução/SporTV
Imagem: Reprodução/SporTV

Contratado em setembro de 2017, Oswaldo de Oliveira não conseguiu fazer o time jogar bem nos primeiros meses de 2018. Em fevereiro, após um empate contra o Atlético-AC, pela Copa do Brasil, foi demitido do cargo, dando lugar ao então auxiliar Thiago Larghi.

Poucas contratações vingaram

Dos sete nomes que chegaram ao Atlético no início do ano, apenas Maidana e Ricardo Oliveira terminaram a temporada como titulares. Róger Guedes foi um dos destaques, mas deixou o clube após a Copa.

Por outro lado, Samuel Xavier, Arouca e Erik saíram ao longo do ano. Somente a partir do segundo semestre, a diretoria trouxe nomes que foram mais aproveitados, como José Welison, Emerson e Yimmi Chará.

Morte de Bebeto de Freitas

Bebeto de Freitas - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Em março, um duro golpe para o esporte nacional. Diretor de administração e controle do Atlético-MG, Bebeto de Freitas faleceu após sofrer uma parada cardíaca. O dirigente estava na Cidade do Galo para apresentar o projeto do time de futebol americano do clube.

Eliminações geraram racha entre diretoria e torcida

Depois de vencer a primeira partida por 3 a 1, o Atlético ficou sem o título mineiro após perder por 2 a 0 para o rival Cruzeiro. Mas a queda que mais afetou a relação da torcida com a nova gestão foi a da Copa Sul-Americana. Após cair para o San Lorenzo, a declaração do presidente Sérgio Sette Câmara, se referindo ao torneio como segunda divisão da Libertadores, não caiu nada bem. Para piorar, na semana seguinte, o Galo foi eliminado da Copa do Brasil para a Chapecoense nos pênaltis, ficando apenas com o Brasileirão durante toda a segunda metade do ano.

'Era Larghi' termina após sete meses e diretor também deixa o cargo

Foram 49 partidas, 23 vitórias, 12 empates e 14 derrotas. Thiago Larghi bateu recorde de jogos como técnico interino de fevereiro até junho, quando foi efetivado no cargo. Apesar do vice-campeonato mineiro, Larghi foi elogiado por conseguir levar o time às primeiras posições do Brasileirão com as peças que tinha. Porém, o técnico perdeu jogadores importantes na parada para a Copa do Mundo e não conseguiu retomar o equilíbrio após o Mundial, deixando a equipe no mês de setembro. Pouco depois, foi a vez de Alexandre Gallo, diretor de futebol, ser demitido do cargo.

Levir volta com a emoção e garante vaga na Libertadores

Em sua quinta passagem pelo Atlético, Levir Culpi voltou para tentar garantir a vaga na Libertadores, antes tratada como certa, mas que já começava a ficar ameaçada. Após alguns tropeços no início, Levir conseguiu dar a injeção de ânimo que o time precisava. Não faltou sofrimento e emoção nas últimas partidas, mas a equipe conseguiu atingir o objetivo e ficar com a sexta colocação na tabela.

Futebol