PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Insatisfeito com "brucutus", Santos quer volante moderno e de poucas faltas

Alison recebeu 24 cartões amarelos em 50 jogos em 2018; 12 só pelo Brasileirão  - Felipe Oliveira / EC Bahia
Alison recebeu 24 cartões amarelos em 50 jogos em 2018; 12 só pelo Brasileirão Imagem: Felipe Oliveira / EC Bahia

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

09/12/2018 04h00

O Santos prioriza a contratação de um volante moderno para 2019. Hoje, Carlos Sánchez é o único que agrada, mas o uruguaio atuou como uma espécie de "camisa 10". Insatisfeita com o perfil de Alison e Diego Pituca, a diretoria santista visa contratar um volante que tenha mais qualidade para armar as jogadas no setor ofensivo e até fazer gols.

Além disso, o volante que o clube paulista procura no mercado precisa desarmar o adversário, mas fazendo poucas faltas e, principalmente, não sofrendo muitos cartões - amarelos e vermelhos.

O volante Alison terminou a temporada como o "campeão" neste quesito. Com o estilo mais "brucutu" em campo, ele recebeu 12 cartões amarelos no Campeonato Brasileiro. O segundo mais indisciplinado da equipe santista na competição foi o atacante Gabriel Barbosa, com nove cartões sofridos.

Alison fez 50 dos 68 jogos do Santos e recebeu, no total, 24 cartões amarelos.

Mas, segundo estatísticas do Footstats, Alison não foi o jogador que mais cometeu faltas no Brasileiro. Porém, a tese da diretoria em buscar um volante menos faltoso ganha força, pois o líder em infrações é Diego Pituca, outro volante, com 50 faltas em 34 jogos.

Alison é apenas o quinto colocado do Santos no quesito. Gabriel, Bruno Henrique e Gustavo Henrique fizeram mais faltas do que o volante que é chamado pela torcida de MMAlison.

Alison fez 39 faltas em 28 jogos, enquanto Gabigol está na segunda colocação, com 48 faltas em 35 jogos, Bruno Henrique na terceira, com 47 faltas em 28 jogos, e Gustavo Henrique, com 40 faltas, em 29 jogos.

Os nomes dos "volantes modernos" são mantidos em sigilo na lista de reforços, mas alguns jogadores oferecidos, casos de Bruno Silva, do Cruzeiro, e Adilson, do Fluminense, inicialmente não agradaram aos dirigentes santistas.

Futebol