PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Marques ganha força para seguir no elenco profissional do Atlético-MG

Marques (à esquerda) agrada ao presidente Sérgio Sette Câmara (à direita) no Atlético - Bruno Cantini/Atlético-MG/Divulgação
Marques (à esquerda) agrada ao presidente Sérgio Sette Câmara (à direita) no Atlético Imagem: Bruno Cantini/Atlético-MG/Divulgação

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

27/11/2018 04h00

Rodrigo Caetano estava na mira do Atlético-MG para ocupar o cargo de diretor de futebol. Mesmo com o assédio ao cartola, Marques ganha força para seguir à frente do elenco profissional em 2019. O ex-atacante é visto como o nome ideal para o cargo de gerente de futebol.

O presidente Sérgio Sette Câmara é quem definirá o responsável pela direção executiva em 2019. Com passagens por Grêmio, Inter, Flamengo e Fluminense, Caetano agrada ao mandatário. O clube prepara uma oferta com salário na casa de R$ 250 mil mensais. Isso o tornaria o diretor de futebol mais bem pago do país, superando nomes como Alexandre Mattos, do Palmeiras, e Itair Machado, do Cruzeiro.

Embora queira abrir os cofres para levar Rodrigo à Cidade do Galo, o mandatário faz planos para Marques. O trato do ex-jogador com o plantel no pior momento da temporada agradou à alta cúpula.

O Atlético-MG enfrentou uma sequência de seis jogos sem vitórias - quatro derrotas e dois empates - e com salários atrasados. Neste período, o diretor de futebol interino precisou cobrar o elenco uma postura distinta nos jogos do Campeonato Brasileiro. A forma de atuar no vestiário neste período agradou aos membros da cúpula.

Na cena mais marcante, Marques reuniu o grupo no vestiário após o revés por 1 a 0 para o Grêmio em pleno estádio Independência e fez um discurso exigindo mais dedicação nos jogos seguintes. A bronca dada pelo cartola surtiu efeito, e o time já apresentou melhora na rodada seguinte, com o empate diante do Palmeiras. A partir daí, o Galo engatou uma série de quatro jogos de invencibilidade. Além da igualdade com o atual campeão, os mineiros venceram Paraná, Bahia e Internacional.

O receio da diretoria em relação a Marques é falta de experiência no mercado da bola. Por isso, creem que o ex-jogador teria mais sucesso como gerente de futebol, tornando-se um elo entre diretoria e plantel.

A volta às categorias de base como coordenador está praticamente descartada. O ídolo da torcida ganha cada vez mais força para permanecer no futebol profissional em 2019.

Futebol