PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Cartola vê exagero em críticas e quer quitar atrasados do Galo em 2 semanas

Presidente falou sobre momento delicado vivido pelo Atlético-MG na temporada - Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro
Presidente falou sobre momento delicado vivido pelo Atlético-MG na temporada Imagem: Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

31/10/2018 17h29

Presente na Cidade do Galo para a apresentação de Marques, diretor de futebol temporário, o presidente do Atlético-MG, Sérgio Sette Câmara, falou com os profissionais da imprensa sobre a situação do clube dentro e fora de campo. Sem vencer há quatro jogos no Brasileiro, o clube já vê ameaçado o sexto lugar da tabela, gerando protestos da torcida na frente da sede e do CT. Em seu departamento de futebol, o presidente convive ainda com a recente saída de Alexandre Gallo e da necessidade de pagar os salários atrasados ao elenco profissional.

Em um primeiro momento, Sérgio Sette Câmara falou da pressão e disse entender parte das críticas que vem recebendo. Além disso, explicou os motivos para ter concedido poucas entrevistas para falar sobre contratações e formação do plantel, assunto sempre tratado por Alexandre Gallo, ex-diretor de futebol.

"Eu também fico muito chateado com isso. Sou tão atleticano como todos os torcedores do Atlético são. Eu ia ao Mineirão com meu pai, com meus amigos, ali na Galoucura. Não sou um cara que não sabe de futebol. O que quis dizer (quando negou dar entrevistas sobre contratações) é que o diretor deveria falar. Eu trabalho, até porque quem trouxe o Emerson fui eu, o Róger Guedes fui eu, o Maidana fui eu... Eu também trabalho. Eles podem me criticar, Mas as pessoas falam de mim como se eu fosse um envolvido na Lava-Jato, eu sou um cara honesto. Eu tenho um mandato que me foi dado por pessoas de bem. Amanhã, se eu trouxer um diretor de futebol no lugar do Marques, vou ser criticado. Se Jesus descer para ser diretor do Atlético, serei criticado, porque o tom está muito alto. Não é aqui nem um tom de desabafo, é um esclarecimento. Eu prometo que, em dezembro, ao final do campeonato, vou voltar a bater um papo com vocês, espero que classificado para a Libertadores. Mas quero fazer um balanço do primeiro ano nosso", comentou.

Sette Câmara também falou sobre a questão financeira do clube. Além das altas dívidas, o Atlético já está há quase um mês sem pagar o salário dos jogadores. Segundo o mandatário, a situação estará resolvida em até duas semanas.

"Apesar das dificuldades financeiras que encontramos no clube, não que seja algo que veio do Daniel, do Alexandre ou do Ricardo, mas porque realmente recebi o Atlético em situação financeira delicada. Os números apresentados foram preocupantes. Encomendei um trabalho para apresentar, provavelmente na próxima reunião do conselho, no final de novembro. O Atlético tem um patrimônio muito grande, muito superior à dívida que a gente tem. Temos conselheiros brilhantes, que vão nos ajudar a encontrar o melhor caminho", iniciou, sem conseguir garantir a formação de uma equipe competitiva para o ano que vem.

"Formar um time competitivo vai depender do que podemos fazer. Todas as contratações feitas, à exceção do Chará, vieram para pagar somente o salário. Nós estamos aqui com dificuldades financeiras para pagar salário. Esse foi o primeiro mês que encontrei dificuldade para pagar. Estamos aqui com meu diretor financeiro, o Carlos Fabel, para que possamos pagar o salário dentro de uma semana, uma semana e meia, duas semanas em ordem. É um trabalho duro, porque tentar colocar o clube dentro de uma condição financeira razoável, é difícil. Eu não posso deixar de pagar imposto, porque senão tenho que prestar contas. Os impostos são caros. Esse mês pagamos R$ 5 milhões em impostos. Tivemos que fazer alguns acordos importantes nesse ano para realizar o grande sonho nosso", completou.

Futebol