PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Messi vota em CR7 pela 1ª vez, mas em 3º; português volta a preterir rival

Franck Faugere/L"Equipe/AFP / Fabrice Coffrini/AFP
Imagem: Franck Faugere/L'Equipe/AFP / Fabrice Coffrini/AFP

Ana Carolina Silva

Do UOL, em São Paulo

25/09/2018 08h44

Eles sempre negaram qualquer inimizade, mas Cristiano Ronaldo jamais foi a primeira escolha de Messi para o prêmio de melhor jogador do mundo. A recíproca é verdadeira, já que o português também nunca deu o primeiro passo neste sentido. Na edição 2018, que teve seus vencedores divulgados na última segunda-feira (24), o argentino citou o rival pela primeira vez em suas indicações, mas apenas como terceira opção. Já o astro da Juventus manteve a tradição de preterir completamente o jogador do Barcelona.

A votação da dupla no The Best 2018 ainda trouxe outra novidade: foi a primeira vez que a indicação de um deles para o melhor da temporada acabou como o vencedor. Isto porque ambos, que dominaram as 10 edições anteriores da premiação, não podem escolher a si mesmos e nunca votaram no rival como o 'número 1'.

Luka Modric mudou a história nesta segunda, ao quebrar a hegemonia da dupla. Fora do top 3 previamente anunciado pela Fifa, Messi escolheu o croata como sua primeira opção, dando a ele cinco pontos. Mbappé (três pontos) e CR7 (um ponto) foram suas outras indicações, respectivamente como segunda e terceira escolha.

Cristiano Ronaldo surpreendeu muita gente ao optar por um ex-colega de equipe que não era Modric. Seu voto de melhor da temporada foi para o zagueiro Raphael Varane, também do Real Madrid. Modric, como segundo, e Griezmann, como terceiro, completaram a lista do português.

Na premiação de 2017, Cristiano Ronaldo chegou a votar em Modric (Sergio Ramos e Marcelo foram segundo e terceiro, respectivamente), mas a honraria do ano passado ficou com o próprio português. Parecendo indisposto a contribuir com o prêmio de seu maior rival, Messi optou por distribuir pontos entre Luis Suárez, Andrés Iniesta e Neymar.

O mais perto que o camisa 7 da Juventus já passou de votar em Messi foi em 2010, quando escolheu Xavi, parceiro do argentino no Barcelona. Mesmo naquela ocasião, porém, os nomes que fecharam o top 3 do português eram os de Iker Casillas e Wesley Sneijder. Nada de Lionel.

Em 2012, Cristiano Ronaldo foi substituído por Bruno Alves como representante da seleção portuguesa, mas o zagueiro também não votou em Messi: como o regulamento permitia que se ajudasse um companheiro de equipe, ele escolheu o próprio CR7, além de Falcao García e Van Persie.

Algo parecido aconteceu no ano anterior, quando Nuno Gomes misteriosamente substituiu o craque como capitão - na época, houve quem dissesse na imprensa portuguesa que tudo não passava de uma estratégia para impulsionar as chances de Cristiano Ronaldo. Afinal, ele não poderia votar em si próprio, mas Nuno Gomes poderia escolhê-lo. Não funcionou, já que Messi foi eleito com 47,88% dos votos contra 21,6% do português.

Veja como votaram, ano a ano, Messi e Cristiano Ronaldo:

2018
CR7 votou em Varane, Modric e Griezmann
Messi votou em Modric, Mbappé e Cristiano Ronaldo

2017
CR7 votou em Modric, Sergio Ramos e Marcelo
Messi votou em Suárez, Iniesta e Neymar

2016
CR7 votou em Bale, Modric, Sergio Ramos
Messi votou em Suarez, Neymar, Iniesta

2015
CR7 votou em Benzema, James Rodriguez e Bale
Messi votou em Suarez, Neymar e Iniesta

2014
CR7 votou em Sergio Ramos, Bale e Benzema
Messi votou em Di Maria, Iniesta e Mascherano

2013
CR7 votou em Falcao, Bale e Ozil
Messi votou em Iniesta, Xavi e Neymar

2012
Bruno Alves (no lugar de CR7) votou em CR7, Falcao e Van Persie
Messi votou em Iniesta, Xavi e Aguero

2011
Nuno Gomes (no lugar de CR7) votou em CR7, Nani e Neymar
Messi votou em Xavi, Iniesta e Aguero

2010
Cristiano Ronaldo votou em Xavi, Casillas e Sneijder
Messi não votou (Mascherano foi capitão da Argentina até 2011)

Futebol