PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Fla lamenta post sobre capa de revista com Bolsonaro e promete providências

Reprodução
Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

20/09/2018 20h35

O perfil oficial do Flamengo no Twitter surpreendeu alguns internautas com uma publicação na noite desta quinta-feira (20). A conta do Rubro-Negro na rede social fez um post comentando a capa da revista The Economist sobre o candidato a presidência Jair Bolsonaro. 

"Ainda dirão que é de esquerda", escreveu o perfil do time carioca na legenda de uma publicação que contava com duas capas da The Economist criticando o cenário político brasileiro.

Rapidamente diversos usuários reagiram negativamente ao comentário. Poucos minutos depois, o post foi apagado pelo perfil do Flamengo. Em comunicado, o clube lamentou o equívoco de um funcionário e disse que vai tomar as medidas disciplinares cabíveis.

"Por ser apartidário, como claramente está definido em seu estatuto, o Clube de Regatas do Flamengo lamenta a curtida e postagem equivocadas sobre questões políticas feitas no perfil oficial. Erradamente, o funcionário fez as postagens acreditando que usava o perfil pessoal. Vamos adotar as medidas disciplinares cabíveis", dizia o comunicado.

A publicação do Flamengo foi feita na função "resposta" da rede social, reagindo a uma capa da revista britânica que critica o candidato do PSL à presidência da República.

"O Brasil precisa desesperadamente de reformas, mas Jair Bolsonaro seria um presidente desastroso", dizia o post da The Economist. 

Nesta quinta-feira, a Gaviões da Fiel, principal torcida organizada do Corinthians, se posicionou contra Bolsonaro. Além dos corintianos, a Torcida Jovem, do Santos, também mostrou repulsa ao deputado federal.

Jair Bolsonaro lidera a disputa eleitoral, de acordo com pesquisa do Ibope divulgada na última terça-feira (18). O candidato do PSL conta com 28%, Haddad 19%, Ciro 11%, Alckmin 7%, Marina 6%, branco/nulo/nenhum 21%. Já no Datafolha, publicado na madrugada desta quinta-feira, Bolsonaro tem 28%, Haddad 16%, Ciro 13%, Alckmin 9%, Marina 7%, branco/nulo/nenhum 12%.

Futebol