PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Impasse com a Globo atrasa fundo para pagamento de dívidas do Flu

Presidente Pedro Abad tem encontrado dificuldades com as finanças do clube - Lucas Merçon/Fluminense
Presidente Pedro Abad tem encontrado dificuldades com as finanças do clube Imagem: Lucas Merçon/Fluminense

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

27/04/2018 04h00

Uma das saídas encontradas pelo Fluminense para sair do atoleiro de dívidas, o fundo de investimento destinado para o pagamento do passivo tricolor ainda não saiu do papel.

Embora o plano esteja alinhavado, o Flu não conseguiu o aval da Rede Globo para usar a parte desejada de seu contrato de TV, sua principal fonte de receita, como garantia. Por questões internas, a emissora não pode assinar um documento que envolva esta significativa do montante a ser repassado ao clube pelo novo acordo de transmissão (válido a partir de 2019). A assessoria do Flu, contudo, rejeita a tese de que haja impasse e afirma que a operação não depende mais de discussões com a emissora.

Em reuniões entre as partes, os tricolores foram informados que a Globo irá colaborar, mas não com o percentual exigido como garantia do futuro contrato, que já rendeu R$ 40 milhões só de luvas ao Fluminense. As tentativas para o aumento deste aval visam a obtenção de taxas de juros melhores no mercado. O clube ainda discute com a Globo, mas pensa em outras alternativas para acelerar o negócio, uma das meninas dos olhos de Diogo Bueno, vice de finanças do clube.

"O Fluminense iniciou o estudo do fundo em meados do ano passado. Algumas etapas relevantes foram vencidas como, por exemplo, conquistar a confiança de uma instituição financeira para estruturar a captação. Ainda discutimos detalhes importantes, mas nossa expectativa é positiva para o avanço e concretização", disse Bueno ao UOL Esporte.
A iniciativa do clube consiste em uma parceria com o banco Polo Capital, que captará dinheiro por meio destes recebíveis futuros. A ideia é que cerca de R$ 50 milhões sejam captados somente neste ano, quantia que seria destinada ao pagamento de dívidas e impostos em atraso, além de significar um fôlego importante no caixa. De acordo com o último balanço, os débitos atingem a casa dos R$ 430 milhões.

Sufocado por cobranças de todo lado, o passivo trabalhista assusta. Apenas em ações desta natureza, o Flu tem uma conta de cerca de R$ 40 milhões a pagar. Este montante explica-se em grande parte a acordos não cumpridos com jogadores com passagem pelas Laranjeiras nos últimos anos.

Após um primeiro ano de muitas dificuldades para arrumar a casa, o presidente Pedro Abad, no entanto, conseguiu regularizar a folha salarial de todos os funcionários do clube, que estão com os seus vencimentos em dia. Depois de fechar o patrocínio master de sua camisa, os profissionais do marketing tentam vender outras propriedades do uniforme, mas têm encontrado dificuldades no mercado.

Futebol