PUBLICIDADE
Topo

Futebol

MP investiga cambismo no Palmeiras, e culpados podem ficar 6 anos na cadeia

Paulo Castilho, promotor do Ministério Público, vai investigar cambismo no Palmeiras - Blog do Boleiro
Paulo Castilho, promotor do Ministério Público, vai investigar cambismo no Palmeiras Imagem: Blog do Boleiro

Danilo Lavieri e Ricardo Perrone

Do UOL, em São Paulo

27/10/2017 17h03

O Ministério Público vai investigar um possível caso de cambismo no Palmeiras. O promotor Paulo Castilho pediu a abertura de um inquérito para ouvir os envolvidos e disse que, caso consiga provar o crime, os culpados poderão pegar de dois a seis anos de cadeia.

Na semana passada, o Conselho do clube começou a investigar um repasse de ingressos que acontecia da Crefisa para as mãos do ex-presidente Mustafá Contursi. Em tese, essas entradas eram repassadas a cambistas por meio de uma intermediária e cada tíquete era vendido por R$ 250, gerando uma receita de R$ 18.750 por partida.

Mustafá Contursi, Seraphim del Grande, Leila Pereira, presidente da Crefisa, e seu marido, José Roberto Lammachia, e a intermediária, que era associada do clube, serão os primeiros a dar os depoimentos.

"Eu requisitei a instauração de um inquérito que está agora com a delegacia do futebol. Precisamos apurar isso. Pelos fatos preliminares, a Crefisa, na boa fé, fornecia os ingressos gratuitamente para serem contemplados para pessoas ligadas ao clube, pessoas menos favorecidas ou conselheiros. E esses ingressos foram vendidos. Me passaram que vendiam 75 ingressos por R$ 250 cada, o que é um claro cambismo", disse Paulo Castilho ao UOL Esporte.

"O delegado vai ouvir as pessoas que eu indiquei e pode ouvir outros também. A gente precisa ver se vai conseguir unir as provas e provar a autoria. Caso isso aconteça, a pena é grave, de reclusão que começa em dois anos e pode ir a até seis", completou.

Castilho disse que sua investigação não impede que o Palmeiras siga a dele, mas explica que o clube só poderá tomar as medidas administrativas.

"A minha investigação é oficial, é da Lei, é com juizado do torcedor e delegacia especializada. O Palmeiras pode manter alguma coisa administrativa e eu posso requisitar a conclusão do clube para dar mais elementos ao inquérito".

O presidente do Conselho Deliberativo, Seraphim del Grande, diz que o clube irá até o fim para achar os culpados e diz também está disposto a colaborar com o Ministério Público.

"Para nós, é ótimo que tenham instaurado o inquérito. Podemos usar as informações que eles conseguirem. Também estamos à disposição para ajudar com o que tivermos. Nós iríamos acionar as autoridades se a Elaine não aparecer para dar explicações. Agora eles já estão no caso".

Apesar disso, como já mostrou o UOL Esporte, o Conselho alviverde já se prepara para uma pizza, onde tudo será tratado como um incidente normal. A entrada do Ministério Público pode aumentar a pressão no clube para que algum culpado seja encontrado.

Futebol