PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Alessandro admite oscilação do Corinthians, mas diz: "Não tem um porquê"

Alessandro conversa com Cássio no vestiário da Arena Corinthians  - Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Alessandro conversa com Cássio no vestiário da Arena Corinthians Imagem: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Do UOL, em São Paulo

27/10/2017 11h38

De acordo com Alessandro, gerente de futebol do Corinthians, a oscilação do time dentro de campo no segundo turno do Campeonato Brasileiro é difícil de explicar. O dirigente afirmou que foram detectadas questões individuais, mas classificou o momento como "coletivo" e se mostrou confiante na retomada do melhor desempenho da equipe.

"A gente faz reuniões quase todos os dias para dar suporte para o Carille. Fazemos isso nos momentos positivos e seguimos fazer agora. Tem algumas coisas que a gente detecta, mas é importante preservar porque são questões individuais. Questões técnicas. Não tem um porquê, não tem uma indisciplina, não tem um mau momento individual, é um pouco coletivo na verdade", disse Alessandro, em entrevista à "ESPN".

"Detectamos bastante coisas, o Carille passa para eles o quanto antes. Isso é feito com naturalidade, até antes desse momento, e nós ficamos na retaguarda. Algumas coisas são detectadas sim, mas acabam ficando mais internamente para que a gente possa olhar no olho de cada atleta, de cada membro da comissão técnica. Estamos em uma reta final, e tudo que aconteceu nessa semana, reunião com elenco, reunião com torcida, foi produtivo. É claro que você precisa de resultado, mas a gente acredita, confia. Todo mundo sabe o que precisa ser feito para as vitórias serem retomadas", completou.

Alessandro negou que a aproximação do arquirrival Palmeiras aumente a pressão e disse que o Corinthians precisa resolver-se internamente para garantir o título nacional.

"Fizemos um jogo muito duro contra o Grêmio, uma equipe qualificadíssima, e a nossa equipe teve um comportamento interessante. Foi um duelo muito igual. Para nós, isso que é mais importante, isso que tem que prevalecer. Não podemos olhar o adversário que está chegando, temos que olhar para nossos objetivos. Isso que acaba sendo importante nesse momento, detectar nossos erros, nossos problemas. Se é emocional, se é técnico... É esse suporte que temos que fazer. Óbvio que abaixo do Corinthians tem equipes qualificadas, mas temos que olhar para a gente. Isso que vai levar a retomar uma vitória, se manter como líder, porque tem uma diferença importante", declarou, referindo-se aos seis pontos de vantagem sobre Palmeiras e Santos.

Futebol