PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Conselho já se conforma com "pizza" em caso de ingressos de Mustafá e Leila

Ex-presidente, Mustafá tem poder sobre o Conselho e deve sair ileso de polêmica - Fábio Motta/AGE
Ex-presidente, Mustafá tem poder sobre o Conselho e deve sair ileso de polêmica Imagem: Fábio Motta/AGE

Danilo Lavieri e José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo

26/10/2017 04h00Atualizada em 26/10/2017 14h56

Há consenso entre os conselheiros do Palmeiras de que a investigação sobre o desvio de ingressos para cambistas não terá nenhum culpado. Com Mustafá Contursi no centro do caso, o clube verá a decisão ser tomada pelo Conselho Deliberativo, que tem a maioria alinhada com o ex-presidente. Mauricio Galiotte, o presidente atual, acompanha de perto os rumos das conversas.

Seraphim Del Grande, presidente do órgão, convocou só uma intermediária responsável pelo repasse dos ingressos para os cambistas. Ele diz que esse é o primeiro passo para tomar decisões sobre o que fará daqui para frente. Para a elaboração do documento que veio a público explicando o caso, Paulo Serdan e Leila Pereira já haviam sido ouvidos, mas sem uma convocação oficial. 

Depois da publicação da reportagem, Del Grande enviou nota (leia na íntegra no fim do texto) ao UOL Esporte para afirmar que investigará os fatos com firmeza, independentemente do grau de importância dos envolvidos.

Uma sindicância pode até ser aberta, mas os nomes indicados para tomar frente desta negociação sairiam de grupos que também são alinhados com Contursi.

Até mesmo os oposicionistas sabem que o caminho deve ser um acordo em que o caso seja tratado como incidente normal. Eles ainda apontam diversos outros casos que tiveram Mustafá como protagonista acabaram da mesma forma por causa de seu domínio político no clube.

Para exemplificar, citam o caso da aprovação da candidatura de Leila Pereira, mesmo sem o tempo necessário de associação ao clube, e investigações sobre lavagem de dinheiro que já foram conduzidas até pelo Ministério Público e que não tiveram resultado prático até agora.

Mustafá segue em alta com o Conselho, embora mantenha um atrito com a gestão de Maurício Galiotte por causa da sua insistente guerra contra o profissionalismo no clube. O ex-presidente conseguiu, inclusive, que as propostas da mudança de estatuto que dizem respeito ao assunto tivessem a sua votação em Conselho postergadas.

Mesmo com a pressão, o atual presidente já disse que não abrirá mão da estrutura de profissionais e destaca que essa sempre foi a sua bandeira de campanha, desde os tempos em que era vice-presidente de Paulo Nobre. 

A sombra em cima do presidente só não é maior porque a Crefisa tem ótimo relacionamento com Alexandre Mattos e vê como fundamental a sua continuidade no comando do futebol. A patrocinadora também já investiu na reforma das instalações, o que obriga a presença de profissionais para usar todo o aparato da maneira certa.

Ao mesmo tempo, Galiotte sabe da importância de Mustafá até mesmo para manter a governabilidade e a chance de reeleição. Sempre que precisa, ele afirma que é democrático e deixa o Conselho, que tem os mustafistas como maioria, decidir o rumo das polêmicas internas.

O ex-presidente também tem seus representantes dominando o COF (Conselho de Orientação e Fiscalização), que não tem poder de decisão, mas é visto como órgão importante para manter a paz política. Vale lembrar, por exemplo, que o ex-presidente Arnaldo Tirone rompeu com Mustafá e não conseguiu nem se candidatar à reeleição. 

Veja a nota enviada por Seraphim Del Grande após a publicação da reportagem:

A Presidência do Conselho Deliberativo do Palmeiras discorda de todos os termos da reportagem divulgada pelo UOL ESPORTE e ressalta os principais pontos:
A primeira discordância é relativa à convocação de “uma única intermediária” e de duas pessoas em caráter “não oficial”.  Seraphim Carlos Del Grande, investido do cargo de Presidente do Conselho Deliberativo, não faz convocações informais ou não oficiais. No exercício do cargo, todas as convocações se dão em caráter oficial.
A qualificação “intermediária” da pessoa convocada representa entendimento exclusivo do autor da matéria e não corresponde a que consta dos documentos da apuração, até o momento. Além disso, já foram convocadas mais de quatro pessoas, em caráter oficial e sigiloso, uma vez que se trata de apuração que objetiva recolher o maior número de dados, evidências e informações e não há possibilidade de acordo ou consideração do fato como “incidente normal”. Trata-se de fato de extrema gravidade que está sendo apurado com rigor, independentemente do grau de importância das pessoas que foram ou venham a ser mencionadas nas oitivas e cogita-se, em princípio e para o caso de recusa de comparecimento das convocações, levar o caso às autoridades. 
Por fim,  ao contrário do que mencionou a matéria, o fato sequer se assemelha à aprovação da candidatura de Leila Pereira. Para o caso, o Conselho Deliberativo tomou como base para a sua decisão, atos concretos praticados por  três Presidentes – Mustafá Contursi, Paulo Nobre e Galiotte - e trata-se de decisão final, que tornou-se irreversível, conforme o Estatuto do Palmeiras.
No mais, Seraphim Carlos Del Grande informa que continuará a apurar os fatos com o sigilo que o caso requer, a despeito de algumas informações sem consistência que estão sendo divulgadas.

Seraphim Carlos del Grande
Presidente do Conselho Deliberativo do Palmeiras

Futebol