PUBLICIDADE
Topo

Futebol

O dia que Evandro Mesquita jogou com Bob Marley no campo de Chico Buarque

Evandro Mesquita, vocalista da Blitz - Raphael Mesquita
Evandro Mesquita, vocalista da Blitz Imagem: Raphael Mesquita

Demétrio Vecchioli e Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

24/10/2017 04h00

Evandro Mesquita estava com Regina Casé na praia quando trombou com Paulo Cézar Caju. O então jogador de futebol fez o convite. “Pô, Bob Marley tá aí e vai ter uma pelada na casa do Chico (Buarque).”

Era a oportunidade da vida. Evandro Mesquita é super fã do cantor jamaicano e não podia acreditar que ele estava no Rio de Janeiro. O ano ele não sabe mais dizer se era 1978 ou 79, mas não esquece o que sentiu. “Eu tinha um ensaio importante do 'Asdrúbal Trouxe o Trombone', que era meu grupo de teatro.”

Mas a proposta era boa. Além do dono do campinho e do convidado ilustre, a turma incluía Toquinho e Alceu Valença. Evandro Mesquita ficou no dilema e enquanto não decidia Paulo Cézar Caju vazou para o campo de Chico Buarque.

Bob Marley jogando no campo de Chico Buarque no Rio de Janeiro - Reprdução/GQ A - Reprdução/GQ A
Imagem: Reprdução/GQ A

Regina Casé e a também atriz Patrycia Travassos foram para o ensaio. Ele ficou sem nada. Faltaria ao compromisso e não conseguiria participar da pelada. Mas apareceu um amigo com nome sugestivo.

“Eu peguei uma carona com Paulo Suprimento, que era um amigo clandestino dos Novos Baianos. A gente foi numa Kombi estourando carburador.”

Evandro Mesquita chegou com o jogo em andamento e foi difícil arranjar vaga. Pediu para trocar com Alceu Valença que não quis perder um minuto daquela oportunidade. No final, ele conseguiu mais que jogar, teve minutos de intimidade com Bob Marley. Tudo começou um hora em que a bola saiu.

“Eu fiz uma embaixadinha, fiz uma graça e mandei para o Bob. Yeahh man, ele falou. Aí o Paulo Suprimento botou um baseado na dele. No cantinho, nós três: Bob Marley, Paulo Suprimento e eu. Foi assim, uns 7 minutinhos inesquecíveis porque adoro, amo Bob Marley”.

Mas idolatria a parte, Evandro Mesquita não se deixa encanar pelas qualidades futebolísticas do jamaicano. “Bob Marley era meio canela dura. Os jamaicanos não tinham intimidade com a bola”. Sorte do brasileiro que estava no outro time.

Pelé - UOL - UOL
Imagem: UOL

Com Pelé não rolou

No dia que decidiu cabular o ensaio para jogar com Bob Marley, Evandro Mesquita evitou um arrependimento para vida. Bom que aproveitou esta chance porque não houve oportunidade de jogar com a outra pessoa que sempre sonhou, Pelé. A vontade virou até a música Nunca joguei com Pelé.

Na letra, ele conta que já esteve em peladas com Júnior, Bebeto, Romário, Bebeto, Carlos Alberto e Bellini. Mas ressalta que falta Pelé. “É uma homenagem aos jogadores das antigas que eu tive o prazer de jogar pelada. Já joguei com essas feras menos com o Pelé. O Pelé, o Tostão, o Rivellino. O Gérson também não.”

E não é por falta de convite. Evandro Mesquita ficou amigo de uma sobrinha de Pelé chamada Dani e pediu que ela chamasse o ex-jogador quando fez um show em Santos. “Pô Dani convida o Rei. Ele me mandou um recado super maneiro e gentil dizendo que não ia poder ir porque está com problema no quadril, já operou e tal. Tenho registrado este lance.”

Futebol