PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Boas atuações deixam Sidão satisfeito por honrar indicação de Ceni

Sidão soma dez partidas consecutivas como titular do São Paulo - MAURO HORITA/ESTADÃO CONTEÚDO
Sidão soma dez partidas consecutivas como titular do São Paulo Imagem: MAURO HORITA/ESTADÃO CONTEÚDO

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo (SP)

24/10/2017 12h54

Sidão vive a maior sequência como titular do São Paulo. São dez partidas consecutivas no Campeonato Brasileiro, justamente no momento em que o Tricolor começa a arrancar contra a zona de rebaixamento. Em duas ocasiões, o goleiro saiu de campo sem ser vazado - contra Sport e Flamengo -, algo que só havia acontecido quatro vezes no restante do torneio. E o papel do arqueiro nesses dois embates foi essencial com defesas difíceis, além de manter uma marca significativa: nunca perdeu como mandante na meta são-paulina. Assim, em alta, ele se sente aliviado e grato pelo antigo comandante, Rogério Ceni.

"Rogério é importantíssimo. Foi o cara que me abriu as portas, maior ídolo do clube, da minha posição e quem me indicou. Tenho o máximo respeito e carinho pela oportunidade de estar aqui fazendo boas atuações. Isso me deixa satisfeito de que ele fez uma boa escolha. O privilégio que eu tenho de ainda falar com o Rogério é muito bom. Ele me manda mensagens antes e depois das partidas para elogiar, dar força", destacou o camisa 12, que chegará a 11 jogos seguidos no sábado, às 17h, no clássico contra o Santos, no Pacaembu.

Uma das razões para Ceni ter indicado Sidão à diretoria para ser um dos goleiros nesta temporada é a capacidade de iniciar as jogadas com os pés. Quando reassumiu a condição de titular, no empate em 1 a 1 com o Avaí, o goleiro seguiu com seu estilo de evitar chutões, mas alguns erros causaram críticas da torcida. Com a sequência de jogos, no entanto, os equívocos foram diminuindo, até Sidão iniciar com um tiro de meta a jogada do segundo gol sobre o Flamengo, na 30ª rodada do Brasileirão.

"É a sequência de jogos. Ficar muito tempo só treinando você perde a noção um pouco do que acontece em campo. A sequência dá mais confiança para fazer o que a gente faz de melhor. É minha maior sequência e isso me da confiança para fazer meu trabalho de forma mais perfeita", analisou o goleiro, que ainda comentou as chances de ver um novo atleta para a posição ser contratado na próxima temporada, quando Denis e Renan Ribeiro devem sair:

"Tenho contrato até o fim do ano que vem e pretendo cumprir, porque estou feliz, ainda mais jogando e ajudando o time dentro de campo. Meu presente e futuro estão no São Paulo. Espero que seja o pensamento de todos. Vou continuar trabalhando para que isso não mude. Ser titular é algo momentâneo, então preciso manter pelo máximo tempo possível".

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Sidão desta terça-feira:

São Paulo treina, Santos tem folga dupla

Sinceramente, cada um tem que pensar no seu. Estamos fazendo nossa parte, nossa situação é bem diferente deles, que estão em uma zona bem confortável. Nós brigamos por algo que incomoda bastante. Temos muita coisa para melhor, embora o time esteja em evolução. Cabe a nós trabalhar. Vantagem só veremos nos 90 minutos, não cabe a mim julgar o planejamento deles.

Meta para escapar e vantagem para a zona da degola

Esse campeonato está bem embolado, então a gente faz a conta de fazer logo 47 pontos. É o objetivo para encerrar de vez, é o que falamos internamente. E para alcançar rápido. É um pouco confortável, mas não dá para acomodar. É um discurso que a gente tem muito aqui, porque o São Paulo não é clube para estar na posição que ainda está. Temos que continuar conquistando resultados positivos.
 
Ganhar o clássico como herói ou sem levar sustos?
 
Se puder vencer sem susto, é bom para todo tricolor. Mas em um clássico é bem difícil não ser exigido. Tenho que me preparar para ajudar. Mas se puder ser sem susto, é melhor. O clássico do primeiro turno foi bem conturbado, tínhamos acabado de perder nosso comandante (Ceni), o clima pesado pela falta de vitórias. O time está evoluindo agora, mesmo sem grandes jogos em sequência, mas tem evolução tática e individual. O momento é diferente.
 
Defesa em evolução com Arboleda e Rodrigo Caio
 
É muito importante. A gente conversa bastante fora de campo, se cobra. O ataque funciona em quase todos os jogos, então se a gente fizer nossa parte é bem provável que o time vença. São grandes jogadores, jogadores de seleção, e isso me dá bastante tranquilidade para fazer meu trabalho.
 
Trabalho de motivação dos líderes do elenco
 
Há uma chateação pessoal quando você não está jogando. Você percebe um ou outro chateado, então encostamos nesses caras para dar moral, mostrar que é importante para o grupo, não baixar a guarda e aumentar a intensidade. Porque quando eles entrassem seriam cobrados e exigidos. A liderança agiu para levantar esses que estavam caídos para corrermos juntos na mesma jornada. 

Futebol