PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Neymar se diz caçado e critica expulsão em clássico: "juiz quis aparecer"

Neymar é expulso no clássico Olympique x PSG - Boris Horvat/AFP - Boris Horvat/AFP
Imagem: Boris Horvat/AFP

Do UOL, em São Paulo

22/10/2017 20h51

O atacante Neymar classificou como “injusto e exagerado” o primeiro cartão vermelho que recebeu com a camisa do Paris Saint-Germain. Foi no fim do clássico deste domingo contra o Olympique de Marselha (empate por 2 a 2), pelo Campeonato Francês.

O brasileiro, que havia levado amarelo pouco antes por reclamação, sofreu falta por trás do argentino Ocampos, levantou irritado e peitou o rival, que desabou no gramado do Vélodrome. Ambos foram advertidos com o amarelo, e o brasileiro teve que ir mais cedo para os vestiários, aos 43 minutos do segundo tempo.

“Acho que foi exagerada sim. E injusta. Passei o jogo inteiro apanhando bastante, tenho muitas marcas pelo corpo”, reclamou o camisa 10, em entrevista ao Esporte Interativo.

“Foi um lance em que tentei continuar depois de sofrer falta. Fiquei irritado com o golpe por trás. Por isso, tomei satisfação: ‘pô, tá doido, por trás ainda, com jogo parado?’ O cara valorizou e eu fiz o que o árbitro queria, que era me expulsar e aparecer mais que os jogadores”, completou.

Não foi só com os adversários dentro de campo que Neymar sofreu neste domingo. A torcida do Olympique também perseguiu o brasileiro – a ponto de ter arremessado objetos contra o atacante quando ele tentou cobrar escanteio, numa cena que lembrou os jogos da Libertadores.

“Jogaram de tudo. Jogaram lanche completo, baguete, suco de laranja, coca-cola”, comentou Neymar aos risos. “Mas isso não é futebol, independentemente de ser Libertadores ou aqui. Não é esse o caminho. É a mesma coisa que chegar num restaurante e tacar o garfo e a colher no cozinheiro”.

Neymar negou que a expulsão tenha sido reflexo do seu nervosismo em campo – naquele momento o PSG perdia o clássico por 2 a 1. “Não estava de cabeça quente. Muito pelo contrário. Se estivesse eu iria embora direto para o ônibus sem falar com ninguém aqui”, afirmou. “Já fizeram coisas piores no futebol e ninguém foi expulso. Fui tirar satisfação, é errado, assumo meu erro também, mas ninguém tem sangue de barata”.

O brasileiro, que terá que cumprir suspensão na próxima rodada, em casa, contra o Nice, admitiu ainda que a atuação do PSG no Vélodrome foi abaixo do esperado – a invencibilidade da equipe no Francês só não chegou ao fim porque Cavani cobrou falta com precisão e definiu o 2 a 2 aos 48 minutos do segundo tempo.

“Eles foram muito bem, mas nosso time foi bem abaixo do normal. Não jogamos nosso futebol. A nossa equipe pode jogar mais e se impor muito mais no campo adversário. Foi num campo alto, seco, e isso prejudicou, mas temos que nos acostumar porque as equipes vão fazer isso”, concluiu.

Técnico defende Neymar

Unai Emery, com quem Neymar teve um atrito no treino de sábado, segundo a imprensa francesa, saiu em defesa do seu comandado ao ser questionado sobre a expulsão em entrevista coletiva após o empate.

"Estamos um pouco decepcionados com a expulsão (de Neymar), porque ele sofreu muitas faltas ao longo da partida. Acho que o árbitro também precisa pensar bem. Devemos proteger os jogadores", criticou. 

Futebol