PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Presidente do Santos minimiza pichações na Vila: "direito de expressão"

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

20/10/2017 12h45

O presidente Modesto Roma minimizou a pichação dos torcedores do Santos na Vila Belmiro na madrugada desta sexta-feira. O mandatário evitou confrontar os pichadores e, inclusive, disse que o protesto é um “direito de expressão” e “manifestação legitima”.

“Não é normal (pichação), mas é direito de expressão. Se fosse normal, picharia todos os dias. É diferente direito e normalidade”, disse Modesto Roma.

“Eu pensei em 280 piadinhas para dizer como eu vi, mas a seriedade da sua pergunta exige uma seriedade na resposta. Eu respondi agora há pouco tudo que você perguntou: futebol é pura paixão, pura emoção. É absolutamente lícito ao torcedor reclamar. Torcedor tem direito de vaiar, aplaudir, não podemos ficar condenando a manifestação legítima. A manifestação é legítima. Ilegítimo é agredir. É emocional (a reação)”, completou.

Assinada por “jovem baixada”, a pichação ataca, principalmente, o presidente Modesto Roma, o meia Lucas Lima e o lateral esquerdo Zeca. 

“Fora Lucas Lima, honra à camisa; Zeca FDP, c..., nós vamos 'se' trombrar; Modesto frouxo; acabou a paz; queremos time vencedor e quem manda é nós”, foram os dizeres das pichações.

O UOL Esporte antecipou nesta semana que a torcida estava revoltada com Lucas Lima. O mau futebol apresentado nos últimos jogos e o fato de o camisa 10 não responder a proposta de renovação contratual da diretoria santista desagradam os torcedores e até dirigentes do clube.

Nesta semana, o UOL também revelou que Lucas Lima fez uma promessa ao Palmeiras que jogará no rival paulista caso não se transfira para o futebol europeu em 2018. Ele tem contrato com o Santos até o fim de dezembro. O clube ofereceu R$ 600 mil de salário e mais luvas para que ele renove por mais três anos.

No caso de Zeca, ele cobrou os torcedores do Santos com gestos após fazer cruzamento para o gol de Jean Mota no duelo contra o Vitória, no Pacaembu, na última segunda-feira. Se não bastasse, o lateral fez uma publicação polêmica nas redes sociais com emoticons mostrando o “dedo do meio” respondendo a reclamações, e depois apagou rapidamente.

A diretoria estudava multar o jogador e vetá-lo da partida contra o Sport, pois não foi primeira vez que ele se envolve em polêmicas com a torcida santista. No entanto, a cúpula recuou por entender que prejudicaria o time na briga pelo título do Campeonato Brasileiro.

Já em relação ao presidente Modesto Roma, a torcida entende que o mandatário não cobra os jogadores e a comissão técnica e, por isso, o considera frouxo”, como foi colocado na pichação.

O empate contra o Sport nesta quinta deixou o Santos mais longe da briga pelo título. Caso vencesse, a equipe santista ficaria a sete pontos do líder Corinthians. O time saiu na frente, com gol de Ricardo Oliveira aos três minutos de jogo, mas cedeu o empate aos 39 minutos do segundo tempo. Vale ressaltar que, na próxima rodada, o alvinegro praiano enfrenta o “lanterna” Atlético-GO, na Vila Belmiro, enquanto o rival paulista encara o Botafogo, no Rio de Janeiro. Os torcedores viam a chance da diferença cair para quatro pontos.

Com o empate, o Santos ficou a nove pontos do Corinthians e ainda caiu para a quarta colocação do Campeonato Brasileiro, com 50 pontos.

Futebol