PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Chape diz não ter autorizado documentário sobre desastre e aciona a Justiça

Bruno Thadeu

Do UOL, em São Paulo

18/10/2017 11h30Atualizada em 18/10/2017 14h21

A Chapecoense entrou com ação no Tribunal de Justiça de Santa Catarina contra a produtora uruguaia Trailer LTDA, que produziu o documentário “O Milagre de Chapecó”.

No processo, o time catarinense alega que contratou a Trailer para a produção de um documentário, mas que a empresa descumpriu dois tratados: de não abordar o acidente aéreo; e de apresentar o conteúdo do vídeo ao clube antes do lançamento oficial.

O juiz Marcos Bigolin deferiu o pedido da Chapecoense, entendendo haver indícios de que a produtora não agiu conforme o combinado. Em tutela de urgência, foi determinada a interrupção da veiculação do longa-metragem, com multa caso seja descumprida a ordem.

A Chape informa que tomou conhecimento da exibição do documentário após ser alertada pela viúva de um dos atletas do clube. A mulher estava em uma sala de cinema em São José/SC quando viu o trailer do documentário.

Segundo a Chape, a produtora uruguaia foi contratada para abordar a ascensão do clube no futebol brasileiro no período antecedente ao desastre aéreo, que matou 71 pessoas, em novembro do ano passado. A tragédia, de acordo com a Chape, não seria abordada neste documentário.

“O objetivo era contar a história da Chapecoense, com ênfase na façanha esportiva anterior ao acidente aéreo no qual 71 pessoas perderam a vida e na coragem para reconstrução do clube, justamente por não compactuar com a utilização sensacionalista do fatídico episódio”, alega o jurídico do clube.

O trailer do filme foi apresentado em cinemas de Santa Catarina. O clube destacou que o lançamento da obra só poderia ocorrer após sua conferência, alegando não ter sido informada pela produtora.

"A requerida [Trailer LTDA] descumpriu seu dever contratual de informar a requerente com periodicidade sobre o plano de trabalho, filmagens e demais detalhes sem qualquer comunicação ou mesmo autorização da requerente e, pasme, sem nunca ter enviado qualquer material para análise da requerente!", diz trecho da ação da Chape.

A produtora não foi notificada judicialmente.

Futebol