PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Gastando pouco, argentinos trazem destaques sul-americanos; veja quem são

O colombiano Edwin Cardona é o novo camisa 10 do Boca Juniors - Divulgação
O colombiano Edwin Cardona é o novo camisa 10 do Boca Juniors Imagem: Divulgação

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo

25/08/2017 04h00

Classificação e Jogos

Nesta sexta-feira, o Campeonato Argentino abre sua nova temporada. A rodada inaugural terá dois duelos de menor repercussão na primeira data: Tigre x Vélez Sarsfield e Banfield x Belgrano. Os grandes clubes só entram em campo no fim de semana, já com embate San Lorenzo x Racing, e prometem deixar a liga nacional novamente em evidência. Os cofres foram abertos, negociações difíceis foram seladas e os principais elencos ganharam reforços de peso da Europa e do restante da América.

O atual campeão Boca Juniors, por exemplo, perdeu Ricardo Centurión, vendido pelo São Paulo ao Genoa (ITA) e resolveu o problema da falta de um camisa 10 buscando o cobiçado Edwin Cardona. O meia colombiano se destacou no Atlético Nacional sob o comando de Juan Carlos Osorio e estava no Monterrey, do México. Já o River Plate, que tenta voltar ao topo da Argentina e na Libertadores, perdeu Sebastián Driussi para os russos do Zenit e reagiu repatriando de forma surpreendente Enzo Pérez, titular na Copa do Mundo de 2014 e capitão do Valencia. Abaixo, veja outras contratações dos grandes clubes argentinos.

Boca Juniors

As três principais novidades do elenco do Boca chegaram de fora da Argentina. Para a defesa, o clube xeneize pagou cerca de US$ 2 milhões para comprar Paolo Goltz do mexicano América. O zagueiro teve passagem marcante pelo Lanús e foi um dos destaques do título da Copa Sul-Americana de 2013, em final contra a Ponte Preta. Goltz também chama atenção pela qualidade em cobranças de falta e pênalti. Por Cardona, sondado por clubes brasileiros nos últimos anos, o Boca fechou empréstimo de um ano com o Monterrey, que já deixou valor fixado para uma eventual compra em 2018. Em modelo semelhante, mas com chance de prorrogação do empréstimo de 12 para 18 meses, os atuais campeões também levaram Cristian Espinoza, atacante de 22 anos que pertence ao espanhol Villarreal. A extensão do contrato só será permitida se o Boca avançar às fases finais da Libertadores da próxima temporada.

Paolo Golz, zagueiro do Boca Juniors - Rodrigo Capote/UOL - Rodrigo Capote/UOL
Goltz comemora gol do título do Lanús na Sul-Americana de 2013, contra a Ponte
Imagem: Rodrigo Capote/UOL

River Plate

Foi o clube que mais empolgou sua torcida pelas contratações. O ídolo Enzo Pérez, que trocou o Benfica pelo Valencia há dois anos por 25 milhões de euros, pediu para ser negociado com a equipe do coração e custou somente US$ 3,5 milhões. O meia já estreou na Libertadores, participando da classificação às quartas de final nos embates com o Guarani-PAR. Quem também retornou ao Monumental de Nuñez foi o goleiro Germán Lux. Tricampeão argentino, ele estava desde 2006 na Europa e ficou sem contrato com o La Coruña. Livre, reencontrou o ex-companheiro e agora técnico Marcelo Gallardo para ser o dono da meta titular.

O River ainda pagou US$ 1,5 milhão ao Rosário Central para ter o zagueiro Javier Pinola, destaque na Libertadores do ano passado. Do outro time de Rosário, o Newell's Old Boys, chegou o atacante Ignacio Scocco, que passou pelo Internacional e pertencia ao Sunderland. O River se prontificou a assumir as dívidas que o rival argentino possuía com a equipe inglesa. Por fim, na última semana, foi contratada a promessa uruguaia Nicolás de la Cruz. O atacante estava no Liverpool-URU e é irmão de Carlos Sanchez, volante do Monterrey e campeão da Libertadores de 2015 pelo River. A negociação custou US$ 3 milhões por 50% dos direitos econômicos do jogador de apenas 20 anos.

Enzo Pérez, meia do River Plate - Divulgação - Divulgação
Enzo Pérez jogou a Copa do Mundo de 2014 como titular da Argentina
Imagem: Divulgação

Racing

O Racing, rival do Corinthians nas oitavas de final da Copa Sul-Americana, passou pela maior reformulação de elenco entre os grandes. Titulares como o goleiro Agustín Orion e o centroavante Gustavo Bou foram negociados e alguns atletas acabaram até dispensados. Assim, sobrou dinheiro e espaço para que a diretoria fizesse a maior contratação da história do Racing: o atacante colombiano Andrés Ibarguen deixou o Atlético Nacional, campeão da última Libertadores, por quatro milhões de dólares. Por US$ 1,5 milhão, chegou o também atacante Enrique Triverio, que era companheiro do agora são-paulino Cueva no Toluca, do México. O experiente volante uruguaio Arévalo Rios, ex-Botafogo e que estava sem contrato, assinou de graça. Para a zaga, foi acertado o empréstimo de Juan Patiño, da seleção paraguaia e cedido pelo mexicano Jaguares, e a compra de Lucas Orban, vendido por US$ 2,5 milhões pelo Genoa e que ficou famoso por iniciar a briga que interrompeu a final entre São Paulo e Tigre na final da Sul-Americana de 2012.

Arévalo Ríos, volante do Racing - Joaquin Sarmiento/AFP - Joaquin Sarmiento/AFP
Arévalo Ríos teve passagem discreta pelo Botafogo
Imagem: Joaquin Sarmiento/AFP

Independiente

O maior campeão da história da Libertadores, com sete títulos, foi bem mais modesto que seu rival de Avellaneda. De nomes de peso - e sem custos -, chegaram apenas o meia Jonás Gutierrez, ex-Newcastle, seleção argentina e que estava no Defensa y Justicia, e o zagueiro Fernando Amorebieta, que é venezuelano, se tornou ídolo do Athletic Bilbao e ficou livre após rescindir com o Sporintg Gijón. A zaga também foi reforçada pelo uruguaio Gastón Silva, pivô de negociação polêmica. O Independiente pagou 1,4 milhão de euros para tirar o defensor do Torino, mas os mexicanos do Pumas alegam que já tinham pré-contrato firmado. O caso pode ir à Fifa.

Fernando Amorebieta, zagueiro do Independiente - Divulgação - Divulgação
Amorebieta é venezuelano, filho de bascos e fez carreira na Espanha
Imagem: Divulgação

San Lorenzo

A equipe do bairro de Boedo, a exemplo do Racing, também passa por reformulação. A diferença é que a busca por reforços é mais tímida. O principal jogador contratado é Gonzalo Rodríguez, meia que é torcedor declarado do clube, fez carreira no Villarreal e saiu de graça da Fiorentina. Um objetivo importante para a visão do Ciclón foi a renovação do técnico uruguaio Diego Aguirre até junho de 2018.

Gonzalo Rodríguez, meia do San Lorenzo - Divulgação - Divulgação
Gonzalo Rodríguez voltou ao clube do coração nesta temporada
Imagem: Divulgação

Veja os jogos da primeira rodada do Campeonato Argentino:

Sexta-feira:
Tigre x Vélez Sarsfield
Banfield x Belgrano

Sábado:
Defensa y Justicia x Gimnasia La Plata
Colón x Rosário Central
Talleres x Lanús
Independiente x Huracán

Domingo: 
San Martín x Patronato
Atlético Tucumán x Godoy Cruz
San Lorenzo x Racing
Boca Juniors x Olimpo
Temperley x River Plate

Adiado:
Argentinos Juniors x Chacarita Juiniors

 

 

 

Futebol