PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Neymar pai tentou comprar amistoso com o Barcelona, mas Santos recusou

Neymar pai ofereceu R$ 1,2 milhão, mas Santos pode ganhar até R$ 16 milhões - AFP
Neymar pai ofereceu R$ 1,2 milhão, mas Santos pode ganhar até R$ 16 milhões Imagem: AFP

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

24/08/2017 16h22

O pai do atacante Neymar, do PSG, da França, tentou comprar os direitos do amistoso entre Santos e Barcelona, da Espanha, no Brasil. A proposta foi bem inferior ao valor que o clube paulista tenta receber do clube catalão. No início de 2015, quando o presidente Modesto Roma assumiu o clube com dívidas e até debandada de atletas na Justiça, Neymar pai ofereceu R$ 1,2 milhão. A informação foi divulgada pelo Globoesporte.com e confirmada pelo UOL Esporte.

A estratégia da NN Consultoria, empresa da família Neymar, era repassar o amistoso com o Barcelona para outro clube brasileiro. Assim a empresa lucraria com o jogo. Apesar da crise financeira na época, o Santos sequer respondeu a proposta de Neymar pai.

O clube paulista acredita que pode lucrar 4,5 milhões de euros (cerca de R$ 16,6 milhões), que será cobrado do Barcelona. Explica-se: o clube catalão ainda deve o amistoso contra o Santos para ser realizado no Brasil, referente a transferência de Neymar para o time azul-grená em 2013. No entanto, existe uma cláusula que a partida só poderia ser realizada no período em que o ex-santista estivesse vinculado ao Barcelona.

Como a negociação de Neymar para o futebol francês se concretizou, o jogo não poderá mais ser realizado. Desta forma, o acordo entre os clubes prevê que o Barcelona é obrigado a pagar 4,5 milhões de euros (cerca de R$ 16,6 milhões).

A diretoria santista já preferia pela não-realização do amistoso. A equipe alvinegra tem trauma dos dois últimos encontros - 4 a 0 no Mundial de Clubes da Fifa, em 2011, e 8 a 0 em amistoso no Camp Nou, em 2013.

A transferência do atacante Neymar para o PSG tem causado alvoroço na Vila Belmiro. Além do Santos tentar receber o dinheiro do amistoso, a diretoria já trabalha para receber até R$ 33 milhões como clube formador. O PSG desembolsou 222 milhões de euros (R$ 810 milhões) para pagar a multa rescisória e ficar com o camisa 10 da seleção brasileira.

Segundo a assessoria de imprensa da NN Consultoria, a informação não confere e os detalhes da proposta não podem ser revelados diante da confidencialidade imposta.

Futebol