PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Como o Juventus ajudou a formar um dos principais agentes do Brasil

Luisão (à direita), hoje zagueiro do Benfica, em seu início de carreira pelo Juventus - Juventus
Luisão (à direita), hoje zagueiro do Benfica, em seu início de carreira pelo Juventus Imagem: Juventus

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

22/01/2017 04h00

Com acesso aos maiores gigantes da Europa, como PSG, Chelsea e Barcelona, entre outros, Giuliano Bertolucci despontou nos últimos anos como um dos principais empresários do país. O que poucos sabem é que o Juventus da Mooca, e a própria Copa São Paulo, foram um dos embriões da história construída pelo agente. 

Neste domingo, a Arena Barueri recebe o favorito Corinthians contra o surpreendente Juventus pela semifinal do torneio de juniores. A última vez em que a equipe da Mooca alcançou a decisão foi justamente em 2000, diante do São Paulo que se sagraria campeão. Entre os destaques do Moleque Travesso estava um dos maiores zagueiros de sua geração: Luisão, também do Cruzeiro e do Benfica. Ele é um elemento crucial na história de Bertolucci.

Naqueles tempos, a empresa Euro Export, de propriedade do sogro de Giuliano, havia assumido o comando do Juventus. Antônio Duarte Ferreira, mais conhecido como Seu Duarte, e ele, se tornaram representantes e donos de jogadores que fariam carreira internacional importante a partir da Mooca. Três deles em especial:  Alex Costa, zagueiro que jogaria no Santos, no Chelsea e em outros gigantes, Thiago Motta, que alcançaria o Barcelona, e o próprio Luisão. 

Logo depois daquela Copa São Paulo, Luisão acabou negociado pelo Juventus com o Cruzeiro, em que deu sequência a uma história vitoriosa com o título brasileiro de 2003 e uma transferência para a Europa. Luís Felipe Vieira, presidente do Benfica, se tornaria um dos dirigentes fiéis aos serviços de Giuliano Bertolucci. Com o sucesso do zagueiro, um ídolo marcante benfiquista, outros jogadores seguiriam o mesmo caminho do Brasil a Portugal, como Paulo Almeida e Alcides (ambos ex-Santos), Anderson (ex-Corinthians) David Luiz, Ramires e Júlio César, entre outros. Todos a partir do zagueiro da Copinha.

O mais curioso é que Alex, outra pérola pinçada na Mooca, seria outra porta de entrada fundamental para o empresário. Titular do marcante Santos de 2002, com seu futebol, ele aproximou Giuliano do renomado olheiro holandês Piet De Visser, famoso por indicar Romário e Ronaldo ao PSV Eindhoven. Logo depois do Chelsea ser comprado por Roman Abramovich, De Visser se tornou um dos principais avaliadores das compras milionárias feitas pelo magnata russo. Foi a porta de entrada definitiva para Bertolucci na Inglaterra. 

Em mais de uma década, ele levou uma verdadeira legião de brasileiros ao Chelsea: Alex, o primeiro, e depois Ramires, David Luiz, Oscar, Willian, Lucas Piazon, Nathan, Kenedy e Alexandre Pato.

Sem o Juventus e a Copa São Paulo, nada disso teria sido possível. 

Futebol