PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Quatro pontos que precisam da atenção de Paulo Bento no Cruzeiro

Paulo Bento, técnico do Cruzeiro - Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro
Paulo Bento, técnico do Cruzeiro Imagem: Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

18/05/2016 12h00

Apresentado nessa segunda-feira (16) como novo técnico do Cruzeiro, Paulo Bento terá desafios à frente do clube. E os pontos que necessitam de cuidados do comandante variam entre a formação tática (uma incógnita com o antecessor Deivid) e a contratação de jogadores para o decorrer da temporada.

O lusitano sabe que tem muito trabalho e pouco tempo para realizar estes ajustes – a estreia ocorrerá neste sábado (21), às 21h (de Brasília), no Mineirão, diante do Figueirense, pela segunda rodada do Brasileiro. Mesmo assim, ele não foge dos desafios. O UOL Esporte faz uma lista do que o comandante precisa solucionar rapidamente no time mineiro:

1) Encontrar um sistema de jogo
Durante a passagem de Deivid pela Toca da Raposa II, o Cruzeiro variou entre o 4-2-3-1 e o 4-3-3. Geraldo Delamore, técnico interino, adotou o 4-2-3-1 nas três partidas que esteve à frente do elenco. Em sua apresentação, Paulo Bento demonstrou conhecimento sobre os sistemas de jogo da equipe e disse que requer usar apenas um até dezembro, mas não deixou clara a preferência:

“Naturalmente, temos que nos adaptar de alguma maneira àquilo que a equipe já tem e temos que alterar o que tem alterado. É uma equipe que tem jogado em dois sistemas táticos – 4231 e 433. Temos que fazer com que os jogadores abordem o mais rápido possível as nossas ideias. Ao mesmo tempo, sabemos que temos um jogo sábado, às 21h, e nessa semana temos que entrar bem e conquistar os três primeiros pontos do campeonato”, afirmou.

2) Melhorar o sistema ofensivo
O ataque do Cruzeiro recebeu duras críticas no início de temporada. Mesmo com equipes mais modestas pela frente, a equipe comandada por Deivid encontrou dificuldades para balançar as redes adversárias. Sob a batuta do ex-treinador, o time marcou 26 gols em 18 partidas disputadas. A quantidade não agradou à torcida e, inclusive, à diretoria. Não à toa que o técnico deixou o comando do clube.

3) Indicar reforços de qualidade
Após as eliminações no Campeonato Mineiro e na Primeira Liga, a diretoria buscou três reforços – os laterais Lucas e Bryan e o meio-campista Robinho – e já garantiu que irá atrás de novas contratações a partir do dia 20 de junho, quando se inicia a janela de transferências internacionais. Paulo Bento terá pouco mais de um mês para detectar as carências do elenco e solicitar a chegada de novos reforços. Os setores de criação e ofensivo, hoje, são os que mais necessitam de atletas. O próprio presidente reconhece que é necessário buscar um centroavante para o elenco.

“A minha avaliação pessoal, como torcedor, não ouvi isso do treinador, é que o Cruzeiro não tem esse jogador de área que a maior parte dos times brasileiros têm. É uma válvula de escape muito boa. O Cruzeiro é um time de toque de bola, mas às vezes é necessário ter esse jogador dentro da área”, afirmou Gilvan de Pinho Tavares.

4) Dar espaço para jovens da base
O mandatário Gilvan de Pinho Tavares e o vice-presidente de futebol Bruno Vicintin têm uma postura semelhante no que diz respeito à utilização de jogadores das categorias de base. Ambos já trabalharam nas divisões inferiores do clube e, por isso, sabem que é necessário olhar com carinho para os jovens revelados no clube. Um dos pedidos da dupla que comanda o futebol do Cruzeiro ao técnico Paulo Bento é dar mais espaços aos atletas criados na Toca da Raposa I. E o português tem o discurso alinhado com os seus chefes:

“O Cruzeiro tem uma grande vantagem que é o fato de ter bons jogadores na equipe de base e que podem chegar à equipe principal. Novamente, em conjunto com os diretores do clube, poderemos analisar as melhores decisões”, comentou.

Futebol