PUBLICIDADE
Topo

CPI aprova quebra de sigilos fiscais e bancários de Del Nero

Del Nero é presidente da CBF - Ed Ferreira/Folhapress
Del Nero é presidente da CBF Imagem: Ed Ferreira/Folhapress

Daniel Brito

Do UOL, em Brasília

20/08/2015 10h44

A CBF sofreu uma dura derrotada na manhã desta quinta-feira, 20, no Senado. Em sessão da CPI do Futebol, os parlamentares aprovaram a quebra dos sigilos bancários e fiscais do atual presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, e do empresário Wagner Abrahão, cujas empresas prestam serviço para a confederação.

“Como Del Nero é o presidente da CBF, e a CBF é a entidade maior do futebol e a mais corrupta e a responsável por todas essas falcatruas e essas sacanagens, acredito que seja bem interessante a quebra de sigilo deste senhor [Del Nero] para a gente entender o que realmente ele vem fazendo com o nosso futebol”, disse Romário (PSB-RJ), ao final da sessão desta quinta-feira.

O requerimento de Romário pede a abertura das informações bancárias e fiscais no período de 12 de março de 2013 em diante, inclusive as de natureza sigilosa, de Del Nero, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). E do empresário Wagner Abrahão no período de 17 de maio de 2007 a 31 de maio de 2015.

Wagner Abrahão é um dos amigos mais próximos de Ricardo Teixeira. Ele é dono do Grupo Águia e teria sido o responsável por levar o ex-presidente da CBF do Brasil para Flórida em seu jatinho particular, quando o cartola deixou o cargo da confederação. O contrato de patrocínio entre a TAM e a CBF traz Abrahão como um dos beneficiários do acordo.

Ele é dono da Pallas Turismo, empresa que cuida de toda a logística de viagens da seleção brasileira. A Receita Federal já procurou a empresa solicitando os contratos com a CBF.

Devassa em todos os contratos

Os senadores também aprovaram a apresentação dos contratos originais e na íntegra de patrocínio da CBF com a General Motors, patrocinadora, e da Volkswagen, antigo apoiador da confederação. Assim como foram solicitados os termos do acordo da entidade com a empresa Kentaro, ISE, Plausus e Uptrend. Elas mantém vínculo comercial com a CBF e algumas possuem sede em paraísos fiscais. Há a suspeita de que até a convocação da equipe nacional seja acordada em contrato com uma dessas empresas (ISE).

A CPI também quer ter acesso aos contratos firmados no Brasil relacionados a patrocínio, publicidade, fornecimento de material esportivo, direitos de transmissão de jogos da seleção e dos campeonatos organizados pela CBF, viagens, hospedagens, locação de bens móveis e imóveis ou quaisquer outros de importância comercial ou financeira da confederação.

Nova leva de convidados a depor

O empresário Kleber Leite, ex-presidente do Flamengo, é dono da empresa Klefer Marketing Esportivo, responsável por negociar os direitos de transmissão da Copa do Brasil e das eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

A Procuradora Geral dos Estados Unidos, Loretta E. Lynch, responsável pelo que os americanos chamam de “Fifa Case”, que levou à prisão na Suíça o ex-presidente da CBF, José Maria Marin e outros seis dirigentes de federações internacionais de futebol. O convite para que venha ao Brasil depor foi aprovado nesta quinta-feira. Assim como Charles Blazer, acusado de ser um dos mentores do esquema de corrupção no futebol internacional. E Cristian Corsi, presidente da Nike no Brasil. A empresa é parceira da CBF desde 1996.
O presidente do Vasco, Eurico Miranda, também teve o convite aprovado pelos senadores.
As datas ainda serão confirmadas pelos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito.

Blogueiro do UOL convidado

Por fim,foi aprovado mais uma série de convites a jornalistas para depor na CPI. O blogueiro do UOL Esporte, Rodrigo Mattos, virá a Brasília debater com os senadores sobre as recenters denúncias publicadas em seu blog contra a CBF durante a gestão Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero. Ele sucede a outros dois blogueiros do UOL Esporte, Juca KFouri e José Cruz, cujos depoimentos na terça-feira, 18, guiaram os senadores nos requerimentos aprovados nesta quinta, 20. O repórter Jamil Chade, do jornal “O Estado de S.Paulo”, também contribuiu com a CPI na terça-feira.

Os senadores consideram o debate com Cruz, Kfouri e Chade tão produtivo que estenderam o convite para comparecer à CPI aos jornalistas Amaury Ribeiro Jr., Luiz Carlos Azenha, Tony Chastinet e Leandro Cipoloni, que juntos publicaram o livro “O Lado Sujo do Futebol”, que trata sobre as negociações feitas pela CBF e também sobre a compra dos direitos de transmissão dos principais campeonatos nacionais e internacionais. Além de Lúcio de Castro, da ESPN Brasil.

Futebol