Topo

Futebol


Nos pênaltis! Chile vence Argentina e conquista sua primeira Copa América

Do UOL, em São Paulo

04/07/2015 19h46

Foi sofrido, nos pênaltis, diante de uma torcida apaixonada. E nesse sábado, no Estádio Nacional, na Capital Santiago, o Chile conquistou sua primeira Copa América em quase 100 anos do torneio continental e também seu primeiro título oficial da história. A seleção chilena empatou por 0 a 0 com a Argentina no tempo normal e na prorrogação e venceu nos pênaltis por 4 a 1. Dessa forma, garantiu vaga na Copa das Confederações de 2017 na Rússia.

Matías Fernandes, Vidal, Aránguiz e Sánchez converteram suas cobranças, enquanto Messi foi o único argentino a balançar as redes nas penalidades. Assim, a Argentina continua com a seca de títulos que já dura 22 anos, desde 1993, quando venceu a mesma Copa América. Nas quatro linhas, o Chile foi mais organizado e melhor em campo, mas falhou na hora de decidir, enquanto a Argentina teve noite pouco inspirada e dependeu demais de lances geniais de Messi.

Fases do Jogo
Argentina e Chile fizeram primeiro tempo equilibrado e disputado. Marcação por pressão e disputa intensa pela posse de bola dos dois lados. Os argentinos tiveram as melhores chances em jogadas de Messi e Pastore, desperdiçadas por Agüero e Lavezzi - substituto de Di Maria, que saiu com lesão muscular na coxa direita e ficou de fora de mais uma decisão após perder a final do Mundial de 2014.

Já os chilenos tiveram um pouco mais de posse de bola, estiveram mais presentes no campo de defesa rival e foram melhores taticamente. Mas só levaram perigo com Vidal, em voleio que saiu fraco, e Vargas, após contra-ataque.

No segundo tempo, o Chile foi melhor, com mais organização tática em campo. E a Argentina deixou a desejar, limitando-se à bola aérea, ponto fraco dos donos da casa, e aos contragolpes puxados por Messi.

Na metade da etapa final, Valdivia foi substituído e não gostou. Não cumprimentou Matías Fernandes, gesticulou bastante, ignorou Sampaoli e ainda deu um bico no banco de reservas. Logo depois, o Chile quase abriu o placar em sua melhor chance na partida. Aránguiz lançou Vargas, que bateu de primeira e tirou tinta da trave de Romero. Já nos acréscimos, foi a vez da Argentina de falhar da hora de decidir. Messi arrancou pelo meio-campo e serviu Lavezzi, que só rolou rasteiro para Higuaín, um pouco sem ângulo, perder o gol que daria o título da Copa América aos argentinos.

Na prorrogação, o que se viu foi o mesmo roteiro: jogo travado, sem grandes chances de gol, Chile com a bola, melhor técnica e fisicamente, e Argentina  mais apática, apostando nos contragolpes. Foi assim que a decisão da Copa América foi para os pênaltis. E deu Chile pela primeira vez na história!

O melhor: Medel – O defensor foi um bom marcador para Messi, que teve alguns poucos lances de brilho, e ainda foi o senhor das bolas cruzadas na área do Chile, um dos pontos fracos da seleção da casa. 

O pior: Higuaín – Entrou só no segundo tempo, mas perdeu gol incrível que poderia ter dado o titulo para a Argentina e ainda foi o primeiro a desperdiçar a cobrança de pênalti, de modo bisonho, isolando a bola por cima do travessão. Rojo também merece menção negativa - muito mal na defesa e no ataque.

Destaques
1ª vez a gente nunca esquece: O Chile ganhou seu primeiro título oficial da história. Foi, com efeito, seu primeiro título também de Copa América.

Messi é tri-vice… Essa foi a terceira final de “La Pulga” com a seleção principal da argentina. E a terceira derrota: Copas Américas (2007 e 2015) e a Copa do Mundo de 2014. Leia mais.

… E Mascherano é tetra! Javier Mascherano tem retrospecto ainda pior, porque chegou a sua quarta derrota em finais com a Argentina: além das mesmas derrotas de Messi, ainda perdeu a final da Copa América de 2004.

Valdivia: campeão e com piti: O meia foi substituído e não gostou. Não cumprimentou Matías Fernandes, gesticulou bastante, ignorou Sampaoli e ainda deu um bico no banco de reservas.

CHILE x ARGENTINA

Data e hora: 04/07/2015 (sábado), às 17h (horário de Brasília)
Local: Estádio Nacional, em Santiago (Chile)
Árbitro: Wilmar Roldan (Colômbia)
Auxiliares: Alexander Guzmán e Cristian De la Cruz (ambos da Colômbia)
Público: 45.693 pagantes

Mais Futebol