Topo

Futebol


Inter atrasa 'todo o resto' para manter elenco com salário em dia

Colorado tem folha salarial de cerca de R$ 12 milhões e sem atrasos - Alexandre Lops/Divulgação Inter
Colorado tem folha salarial de cerca de R$ 12 milhões e sem atrasos Imagem: Alexandre Lops/Divulgação Inter

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

05/06/2015 06h00

A fama de bom pagador do Internacional é usada, há anos, como diferencial no mercado da bola e fez o clube vencer várias disputas por reforços. O pagamento em dia do salário dos jogadores no Beira-Rio segue, mas agora com um cenário diferente. Para manter as contas em ordem no vestiário, o Colorado tem atrasado o repasse de dinheiro a fornecedores de várias áreas. Os atrasos também deverão serão citados pela direção ao apresentar as bases de um empréstimo de R$ 44 milhões aos conselheiros, em reunião ainda sem data para ocorrer.

O UOL Esporte apurou que os atrasos envolvem fornecedores de vários tipos, desde empresas que auxiliam na operação do estádio até repasse de material de administração. O clube confirma os casos, mas cita que existe diálogo constante para normalização dos pagamentos e que dívidas antigas foram renegociadas em janeiro para evitar a interrupção de serviços.

No início do ano, por exemplo, o Inter renegociou uma dívida de R$ 150 mil com um de seus fornecedores. O valor foi diluído em parcelas mensais e tem sido quitado mensalmente junto com a quantia de consumo normal.

Com uma folha salarial girando perto dos R$ 12 milhões, o Internacional atrasa no máximo em cinco dias o pagamento de direito de imagem aos atletas e em casos extremos, raros. O período nem é mais considerado irregularidade, segundo especialistas, em virtude do cenário atual do futebol brasileiro – com inadimplências de três meses ou mais como prática comum.

O tema finanças tem sido uma constante no Inter de 2015. A gestão de Giovanni Luigi entregou o clube com déficit de R$ 49 milhões e a diretoria fez corte no quadro de funcionários para equilibrar o caixa. O financiamento de R$ 44 milhões é visto como imperativo e será levado ao conselho deliberativo. As garantias e forma de pagamento ainda não foram definidas.

Mais Futebol