UOL Esporte Futebol
 
28/06/2010 - 20h00

Polícia Civil aciona Bombeiros em buscas por corpo perto do sítio de Bruno

Do UOL Esporte
Em Belo Horizonte

A Polícia Civil de Minas Gerais, que iniciou buscas no sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas, município da Região Metropolitana de Belo Horizonte, na tarde desta segunda-feira, solicitou auxílio do Corpo de Bombeiros para tentar confirmar a existência de um cadáver, em uma cisterna, situada em terreno próximo à propriedade do jogador do Flamengo. A Corporação enviou equipes para o local, mas até às 19h45, não havia sido confirmada a localização do corpo.

A ação da Polícia Civil de Minas Gerais, amparada por ordem judicial, tem como objetivo descobrir pistas sobre o paradeiro da estudante Eliza Silva Samudio, de 25 anos, ex-namorada do jogador e que seria o pai do filho dela, de quatro meses. A criança foi encontrada no final de semana, com conhecidos de Bruno, em uma favela de Contagem, e está sob a guarda provisória do avô materno, Luiz Carlos Samudio.

De acordo com boletim de ocorrência do Corpo de Bombeiros, às 17h30, duas equipes daquela Corporação e outras duas da Polícia Militar de Minas Gerais tinham sido enviadas para esmeraldas. O sítio começou a ser vigiado na última quinta-feira, depois que a Polícia Civil de Minas Gerais recebeu denúncia anônima dizendo que Eliza teria sido “espancada até a morte” no sítio do jogador.

Bruno seria pai da criança de 4 meses, fruto de relação extraconjugal com Eliza. A paternidade da criança é alvo de ação na Justiça do Rio de Janeiro. Familiares e amigos da jovem não têm sinal dela desde o início deste mês, quando, segundo a delegada, Alessandra Wilke, da Delegacia de Homicídios de Contagem, teria sido convidada por Bruno a morar com a criança em seu sítio.

A Polícia Civil chegou ao condomínio onde Bruno tem uma casa em torno de 16h30. Depois de apresentarem uma ordem judicial, tiveram acesso ao sítio do goleiro, que começou sua carreira no Atlético-MG e teve rápida passagem pelo Corinthians. Os policiais inspecionaram o lado de fora e o interior da casa, de dois andares.

Por volta das 20h30, peritos do Instituto de Criminalística de Minas Gerais chegaram ao Condomínio Turmalina, onde fica o sítio de Bruno, engrossando o contingente de cerca de 50 pessoas das forças de segurança do estado, entre policiais civis e militares e soldados do Corpo de Bombeiros. Sob a alegação de não prejudicar as investigações, os delegados que estão à frente das investigações no sítio, Alessandra Wilke, Júlio Wilke, da Divisão de Crimes Contra a Vida, e Ana Maria Santos estão evitando passar informações aos jornalistas.

Além de realizarem buscas no sítio de Bruno e em outros locais próximos, os policiais analisaram imagens do circuito fechado do Condomínio Turmalina desde o último dia 4 para tentar verificar se Eliza esteve realmente no local.

Texto atualizado às 21h15

 

 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host