PUBLICIDADE
Topo

UOL de Primeira

Os bastidores do futebol em primeira mão


UOL de Primeira

Intubado, vice da FPF luta contra covid-19 na Argentina após Sul-Americana

Roberto Cicivizzo Júnior durante Audiência Pública na ALESP em junho de 2016. Ele luta contra o coronavírus - José Antônio Teixeira/Divulgação/ALESP
Roberto Cicivizzo Júnior durante Audiência Pública na ALESP em junho de 2016. Ele luta contra o coronavírus Imagem: José Antônio Teixeira/Divulgação/ALESP
Exclusivo para assinantes UOL

Pedro Ivo Almeida

Do UOL, em São Paulo

17/02/2021 04h00

O vice-presidente do Departamento de Segurança e Prevenção de Violência da Federação Paulista de Futebol (FPF), Roberto Cicivizzo Júnior, está internado em estado grave em um hospital em Córdoba, na Argentina, após ser infectado pela covid-19. Ele chegou ao país em janeiro para atuar como oficial de segurança da final da Copa Sul-Americana, realizada no último dia 23 e vencida pelo Defensa y Justicia - 3 a 0 sobre o Lanús.

Cicivizzo testou positivo em exame RT-PCR após a partida e teve que ficar no país. Nos dias seguintes, teve falta de ar e foi levado para um hospital da região. O quadro se agravou e ele acabou intubado. Cicivizzo segue respirando com a ajuda de aparelhos. Seu estado de saúde preocupa familiares e dirigentes da Conmebol.

Membros da cúpula da confederação sul-americana ouvidos pela De Primeira confirmaram a informação e informaram que a entidade vem prestando apoio a Roberto, mantendo contato com equipe médica e familiares regularmente. Um seguro médico internacional disponibilizado pela Conmebol a todos os profissionais envolvidos na decisão da Sul-Americana vem cobrindo os custos do tratamento do brasileiro.

Advogado e antigo dirigente ligado à FPF, Roberto Cicivizzo Júnior já foi vice-presidente jurídico da Federação. Com trânsito junto à alta cúpula das principais entidades do futebol brasileiro, ele foi um dos cinco fiadores do acordo de prisão domiciliar de José Maria Marín com a Justiça americana - uma das cinco pessoas que se comprometem a arcar com a fiança de US$ 15 milhões caso o ex-presidente da CBF condenado por corrupção descumprisse os termos e não disponibilizasse os recursos.

UOL de Primeira