PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Jogadores do Santos avaliam ir à Justiça por corte de 70% nos salários

Elenco do Santos conversa no gramado do CT Rei Pelé - Ivan Storti/Santos FC
Elenco do Santos conversa no gramado do CT Rei Pelé Imagem: Ivan Storti/Santos FC

Do UOL, em São Paulo

15/05/2020 04h00

O corte impositivo de 70% dos salários não caiu bem entre os jogadores do Santos. Alguns atletas já procuram orientações com advogados particulares e estudam protestar na Justiça contra o alto corte nos vencimentos. A medida foi tomada pela diretoria santista sem anuência do elenco, que tinha acordado previamente com a direção um corte de 30%.

Ontem (14), em nota, o Peixe negou tal acordo. Logo depois, os jogadores santistas publicaram em suas redes sociais uma nota do sindicado classificando a publicação oficial do Santos como "argumento inverídico". A cúpula santista afirma estar dentro da lei e se apoia na Medida Provisória 396 para ratificar o corte que pode se estender pelos próximos dois meses. (Por Eder Traskini)

Covid-19: Série D do Brasileirão pode não acontecer em 2020

Ao contrário das das três primeiras séries do Campeonato Brasileiro, a quarta divisão nacional é vista por dirigentes e organizadores como 'muito ameaçada' diante dos reflexos da pandemia do novo coronavírus. Nos últimos dias, sem avanço algum na projeção de volta do futebol e com aumento no número de casos oficiais e óbitos por Covid-19, o temor com relação a Série D aumentou. A preocupação tem como origem o número de times envolvidos e logística. O Brasileirão da Série D deveria ter começado em dois de maio e tem 68 times divididos em oito grupos. As partidas, na maioria agendas para cidades longe das capitais, inspiram cuidado redobrado pela consequente estrutura sanitária menor. Segundo fontes ouvidas pela coluna De Primeira, as outras divisões são mais viáveis por terem apenas 20 equipes, cada uma. (Por Jeremias Wernek)

Inter: corte no salário do elenco rende fôlego superior a R$ 1 milhão

O Internacional estima fôlego de cerca de R$ 1,3 milhão por mês com o corte de 25% dos salários do elenco principal. A redução foi proposta pelos jogadores, impactados com a demissão de 44 funcionários do clube em apenas um dia. A economia chega em dias tensos no estádio Beira-Rio, por conta do aumento na inadimplência dos sócios e falta de perspectiva para receber parcelas do Grupo Turner pelo contrato do Campeonato Brasileiro. (Por Jeremias Wernek)

Athletico e Coritiba lideram revolta contra Turner

Entre todos os oito clubes que têm contrato ativo com a Turner e sofreram com a suspensão de pagamentos da programadora para o Basileirão 2020, Athletico e Coritiba são os mais revoltados. A De Primeira apurou que os clubes alegaram que valor previsto para ser pago iria ajudar os clubes a honrarem compromissos importantes, e que a situação deles é mais difícil porque ambos não têm contratos de pay-per-view com a Globo, que liberou pagamentos dessa mídia para outros clubes. O Coritiba só tem contrato com a Turner para TV paga e sequer tem vínculo com pay-per-view e TV aberta. Sem receber da Turner, o Coxa entende que vai entrar em uma situação calamitosa. Os clubes, com exceção do Internacional, sentaram para conversar com a Turner para tentar reverter a decisão. (Por Gabriel Vaquer)

Globo monitora "com muita atenção" situação de clubes com Turner

A Globo está monitorando a situação dos clubes que tem contrato com a Turner na TV por assinatura. A De Primeira apurou que executivos estão observando os fatos "com muita atenção", principalmente se a situação for para a Justiça. A emissora tem o entendimento de que alguns clubes entrariam em contato imediatamente para fechar um acordo para a TV fechada de forma rápida, a fim de fechar uma verba fixa de forma imediata. A emissora se mostrou aberta a ouvir possíveis clubes descontentes. (Por Gabriel Vaquer)

Troca no comando do esporte da Band gera incerteza

A decisão da Band de acabar com a direção de Esportes, demitir o executivo José Emílio Ambrósio, e entregar o setor para o diretor Antônio Zimmerle, que comanda a programação e o entretenimento da emissora paulista, gerou enorme incerteza interna. A De Primeira apurou que a notícia caiu como uma bomba no departamento, já que Zimmerle não tem experiência na gestão dessa área. A avaliação interna é que todos devem esperar os próximos passos, mas que o fim de uma chefia direta mostra que o departamento pode perder prestígio nos próximos meses. (Por Gabriel Vaquer)

Pleno do STJD aprova retomada de julgamentos de casos por vídeo

Sem previsão alguma para o retorno das atividades regulares na sede, o Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu, por unanimidade, liberar os julgamentos por meio de vídeo conferência. A partir da próxima terça-feira (19), os casos voltarão a ser colocados em pauta, mas apenas no ambiente virtual. Para que haja necessidades de provas em vídeo, por exemplo, o interessado deve pedir com antecedência de ao menos 24 horas para que isso seja solucionado. Ficou definido também que os mandatos dos auditores se encerrarão em julho, indeferindo pedido dos tribunais de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Sul, que fizeram consulta sobre a prorrogação. (Por Leo Burlá)

Audiência pública vai debater retorno das partidas no Maracanã

O Projeto de Lei que propõe o retorno dos jogos no Maracanã será alvo de uma audiência pública, que deverá ocorrer em um prazo de uns 20 dias. A ideia é que a matéria, que não foi incluída na pauta da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) em caráter de urgência, seja discutida pelos entes envolvidos e pela população fluminense. A pauta deve ser transmitida pela TV Alerj. A tendência é que o debate sobre a volta das partidas no estádio seja antecipado e que o futebol do Rio discuta o tema antes de uma decisão final ser tomada pelos entes governamentais. (Por Leo Burlá)