PUBLICIDADE
Topo

UOL de Primeira

Os bastidores do futebol em primeira mão


Clubes insistem em redução de 'supersalários' para sobreviverem ao Covid-19

Exclusivo para assinantes UOL

Do UOL, em São Paulo, Porto Alegre, Santos, Aracaju e no Rio de Janeiro

24/03/2020 04h00

Representantes de mais de 30 clubes brasileiros decidiram seguir adiante com a tentativa de reduzir os salários de jogadores, principalmente os mais bem pagos do país, que atuam por clubes da Série A. A avaliação dos dirigentes em reunião realizada ontem (22) é de que a sobrevivência financeira dos clubes não é viável sem a redução da folha de pagamento, principal fonte de despesas para a maioria deles. As bases na mesa de negociação seguem parecidas: férias em um primeiro momento, a partir do primeiro dia de abril, com redução salarial caso, após esse período, o futebol nacional siga paralisado - há disposição em reduzir os vencimentos em 25%, ao contrário dos 50% inicialmente pretendidos.

A reação de atletas de mais renome do país contra a possibilidade de redução causou surpresa e apreensão nos cartolas, e pode levar a um endurecimento das negociações. As férias serão concedidas independentemente da vontade dos atletas, com base na MP 927, a ser publicada pelo presidente Jair Bolsonaro. Caso não haja uma contraproposta por parte de jogadores e entidades sindicais que os representam até quarta-feira, as medidas já podem ser adotadas com base em fundamentos já estudados da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) (o artigo 503 prevê redução de salário caso a jornada seja reduzida por motivos de força maior) ou em uma eventual nova medida provisória do governo autorizando a redução. (Por Pedro Lopes)

UOL de Primeira