PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Empresa diz ter caído em golpe de ex-dirigente e quer que SP pague a conta

Fachada do estádio do Morumbi; shows na casa são-paulina foram alvo de golpe de ex-dirigente - Ricardo Nogueira/Folhapress
Fachada do estádio do Morumbi; shows na casa são-paulina foram alvo de golpe de ex-dirigente
Imagem: Ricardo Nogueira/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

08/05/2018 04h00

A agência Wolff Sports diz ter sido vítima do esquema paralelo de ingressos do ex-gerente de marketing do São Paulo, Alan Cimerman, e quer que o clube ressarça o prejuízo, de R$ 540 mil. A empresa adquiriu R$ 750 mil em ingressos e camarotes para shows de U2 e Bruno Mars no Morumbi em 2017, mas, em vez de realizar os pagamentos ao São Paulo, depositou o valor em uma conta de titularidade da filha de Cimerman – segundo a versão da Wolff, o então funcionário do clube teria dito que essa era a única forma de garantir a velocidade necessária antes do esgotamento dos ingressos.

Cimerman não entregou os ingressos e chegou a falsificar recibos assinando pelas empresas organizadoras dos shows. Enquanto isso, o São Paulo descobriu o esquema e demitiu o gerente por justa causa. A De Primeira teve acesso à conversa telefônica entre o dono da Wolff, Fabio Wolff, e Cimerman, no fim do ano passado– nela, o ex-funcionário do clube do Morumbi admite a fraude, e pede tempo para conseguir o dinheiro. Posteriormente, cerca de R$ 200 mil foram devolvidos diretamente por Cimerman a Wolff. Nos últimos dias, o empresário notificou judicialmente o São Paulo, que não quis se pronunciar sobre o caso, para que page o restante. (Por Pedro Lopes)

Palmeiras: Dívida acabou, mas Nobre pode receber por jogador

O Palmeiras zerou, sete anos antes do prazo inicial estipulado pelo Conselho Deliberativo, a dívida de mais de R$ 140 milhões com o ex-presidente Paulo Nobre, que havia tirado recursos do próprio bolso durante seu mandato para injetar fundos no clube. O antigo mandatário, porém, ainda pode receber de volta mais dinheiro em um último caso: com a venda de um jogador que ele ajudou a contratar. Pelo acordo vigente, o ex-presidente tem direito a recuperar o valor investido, com correção monetária, em caso de venda. O lucro fica com o Palmeiras.

Atualmente, os atletas que se enquadram nesse perfil estão emprestados a outros clubes. São os casos dos atacantes Róger Guedes (Atlético-MG) e Mouche (Banfield), do meia Allione (Bahia) e do zagueiro Tobio (Rosario Central). Nobre já recuperou o que investiu nas contratações do zagueiro Mina (vendido para o Barcelona), do meia Mendieta (Olimpia) e dos atacantes Leandro (Kashima Antlers) e Cristaldo (Cruz Azul). (Por Leandro Miranda)

Seleção: Comercial de Tite tem participação de Thiaguinho

Novo filme da campanha do Itaú com Tite, “Uma Voz Só” traz o treinador da seleção incentivando brasileiros. Assinado pela agência de publicidade Africa, esse é o segundo filme da campanha com o técnico. O primeiro foi “Preleção”, lançado no mês passado. Esse novo comercial conta com a participação do cantor Thiaguinho. A estreia ocorre nesta terça-feira, no intervalo do Jornal Nacional. (Por Jorge Corrêa)

Corinthians: Desembargador viu fraude em licitação na Arena

Voto vencido na ação do Ministério Público que tentava anular a concessão dos CIDs à Arena Corinthians, o desembargador Souza Nery viu fraude na licitação praticada por Corinthians, Odebrecht e o então prefeito Gilberto Kassab. Para o magistrado, houve a instauração de um processo de fachada para escolher quem construiria o estádio e se beneficiaria dos CIDs, já estando definida de antemão a vitória da Odebrecht. O MP acabou derrotado em segunda instância, mas o voto divergente abre a porta para novo recurso dos promotores. (Por Pedro Lopes)

Fluminense: APFUT já sabia que clube atrasaria balanço

O atraso na publicação do balanço do Fluminense já era de conhecimento da Autoridade Pública de Governança do Futebol (APFUT), órgão governamental responsável pela fiscalização do cumprimento das contrapartidas do Profut, o Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro. O presidente Pedro Abad tem conversado constantemente e dado esclarecimentos a Luiz André Mello, presidente da entidade, mas isso não significa que haverá alívio para o Tricolor. Além de não ter obedecido o prazo, o Flu publicou em seu site oficial uma análise incompleta da sua situação financeira. Pela legislação vigente, Abad pode até ser retirado do cargo por conta das irregularidades. (Por Léo Burlá e Rodrigo Mattos)

Vasco: Ex-aliados de Campello ignoraram ‘workshop’ de auditoria

Consumado no último fim de semana, o racha na diretoria do Vasco já se desenhava há algumas semanas. Um episódio emblemático que expôs a divisão foi um workshop organizado pela KPMG no dia 14 de abril. Apesar de defender o discurso de transparência, o grupo “Identidade Vasco” ignorou o evento realizado pela auditoria na sede do Calabouço. A empresa apresentou diretrizes do trabalho e experiências para aumentar ganhos e diminuir despesas em São Januário. Nenhum dos 13 vice-presidentes do agora grupo de oposição compareceu, em clara sinalização de incômodo com o trabalho da auditoria no clube. Apenas os vices Bruno Maia, Rogério Peres e José Pinto Monteiro, ligados ao presidente Alexandre Campello, compareceram. (Por Pedro Ivo Almeida)