PUBLICIDADE
Topo

Rússia

Goleador russo ofendeu Emery e foi afastado da seleção por provocar técnico

Artem Dzyuba comemora gol da Rússia contra o Egito - Fabrizio Bensch/Reuters
Artem Dzyuba comemora gol da Rússia contra o Egito Imagem: Fabrizio Bensch/Reuters

Vanderson Pimentel

Do UOL, em São Paulo

19/06/2018 18h21

Classificação e Jogos

A troca do lesionado Alan Dzagoev por Denis Cheryshev já era esperada, mas a mudança na Rússia que mais surpreendeu para o jogo contra o Egito pela Copa do Mundo aconteceu no ataque. Depois de fazer o terceiro dos cinco gols de sua seleção contra a Arábia Saudita, Artem Dzyuba ganhou a posição de Fyodor Smolov, camisa 10 e referência no ataque da equipe há mais de um ano.

Assista aos gols de Rússia 3 x 1 Egito

Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
- Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
- De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

Por mais inesperada que fosse, a mudança de Stanlislav Cherchesov deu resultado nesta terça-feira (19). Autor do último gol russo na vitória por 3 a 1, o centroavante também participou do primeiro tento da seleção anfitriã e mostrou para a torcida que não há mais quaisquer arestas entre ele e o treinador.

Atacante de 29 anos e um dos principais jogadores do futebol local, Dzyuba é considerado o jogador mais "cabeça quente" da seleção local. Revelado pelo Spartak de Moscou, o atleta de 1,96 m quase ficou fora da Copa do Mundo por entrar em atrito com Cherchesov.

No ano passado, o jogador foi excluído da lista de convocados para a Copa das Confederações um dia antes do torneio começar. Por mais que a explicação oficial tenha sido uma lesão, a imprensa local falou sobre atritos com o treinador. Menos de 24 horas depois da Rússia ser eliminada ainda na primeira fase, Dzyuba e seu companheiro de Zenit, Alexandr Kokorin, postaram um vídeo nas redes sociais colocando suas mãos entre o nariz e a boca, fazendo alusão ao bigode de Cherchesov.

Por mais que Kokorin tenha sido convocado outras vezes, Dzyuba passou a não ser mais lembrado por Cherchesov, também pelo desempenho insatisfatório na equipe de São Petersburgo. A lesão no ligamento do joelho de Kokorin e um empréstimo em janeiro ao Arsenal Tula o colocaram novamente no radar da seleção.

Dzyuba - Matthias Schrader/AP - Matthias Schrader/AP
Imagem: Matthias Schrader/AP

Autor de 6 gols em 10 partidas de janeiro até abril, o centroavante foi a grande surpresa na lista dos convocados de Cherchesov após passar mais de um ano afastado da seleção. Apesar de seu relacionamento conturbado com o treinador, Dzyuba ganhou sua confiança novamente e marcou o seu 13º tento pela Rússia, além de barrar o centroavante que foi o artilheiro do campeonato local em 2016 e 2017.

Bullying com Emery

A provocação a Cherchesov é apenas mais uma carreira do jogador. Cinco anos antes de entrar em atritos com Neymar e outros brasileiros no Paris Saint-Germain, Unai Emery também foi alvo de críticas do russo. Depois de uma passagem de sucesso pelo Valencia, o espanhol acertou com o Spartak de Moscou em maio de 2012. Entretanto, resultados insatisfatórios no futebol local fizeram com o que o treinador fosse demitido 6 meses depois.

Sua má relação com o elenco foi evidenciada por Dzyuba, que chamou Emery de "Trenerishka". Em russo, a expressão significa um diminutivo em tom provocador, que pode ser traduzido como "treinadorzinho".

Entre confusões e empréstimos para Tom Tomsk, a passagem do centroavante pelo Spartak durou até 2015, quando o seu contrato acabou e o jogador optou por acertar com o Zenit. Na equipe de São Petersburgo, Dzyuba fez 29 gols em 70 jogos, mas foi emprestado após perder espaço na equipe que era comandada por Roberto Mancini.

Com a saída do treinador para a seleção italiana e seus dois gols em duas partidas pela Copa do Mundo em casa, Dzyuba deverá voltar ao Zenit com mais moral e chances para finalmente ser o artilheiro do futebol local.

Rússia