PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Venda de jogadores à Europa cai, e clubes têm de buscar novos salva-vidas

Gerson foi uma das poucas vendas altas em 2021 - ANP via Getty Images
Gerson foi uma das poucas vendas altas em 2021 Imagem: ANP via Getty Images
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

14/06/2022 14h57

A venda de jogadores por clubes brasileiros para o exterior tem forte tendência de queda por conta da mudança do mercado europeu. Isso obrigará as agremiações brasileiras a se ajustar com a busca de novas receitas e um controle de custos.

É o que apontou o relatório feito pela consultoria Convocados e XP Investimentos sobre finanças e organização do futebol brasileiro. O documento foi apresentado nesta terça-feira em um levantamento nas finanças de 26 clubes brasileiros de 2021, além de uma pesquisa sobre o ecossistema do principal esporte nacional.

Em relação à venda de atletas, o documento mostra que os clubes brasileiros conseguiram arrecadar R$ 1,155 bilhão com a negociação de atletas durante no ano passado. Esse valor atingiu em 2020 com R$ 1,316 bilhão, auge da pandemia de coronavírus. E estava em R$ 1,486 bilhão em 2019, que foi o montante máximo histórico.

Mais do que isso, há uma queda do investimento em euros, moeda usada pela a Europa, principal mercado. Na moeda europeia, o patamar foi de 183 milhões de euros, pior valor nos últimos cinco anos em termos de arrecadação.

"Ao mesmo tempo observa-se a redução no volume financeiro negociado na última janela, com forte retração nas negociações mais caras. Claro impacto da pandemia, pode ser que se torne uma mudança estrutural à medida em que a UEFA e as federações locais apertem os controles de sustentabilidade financeira", afirma o estudo da Convocados e XP.

O economista da consultoria Convocados, César Grafietti, apontou que o mercado europeu já está mudando. "Europeu vai comprar cada vez menos. O processo é contratar mais jovens e diretamente dos mercados europeus", explicou ele.

Com essa redução, os clubes brasileiros terão de apostar em reduzir custos e apostar em outras receitas para cobrir a diferença. Houve já um aumento nas receitas com publicidade por conta da entrada de setores como apostas e criptomoedas.

"Menos dinheiro de venda de atletas vai obrigar os atletas a se ajustar. O clube não vai achar R$ 100 milhões. Ele vai ser obrigado a se estruturar ou vai ser levado para um processo de aumento de dívida. Menor volume de negociação vai pressionar os clubes a se organizar de alguma forma. Induz a um Fair Play financeiro que já deveria estar na praça. Clubes vão buscar alternativas. Vão trabalhar melhor receitas e custos", afirmou Grafietti.

Pelo estudo, poucos clubes tiveram receita de venda de jogador significativa e usaram para manter os patamares de dívida baixo. São os casos de Athlético, Flamengo, Fluminense e Grêmio. E o estudo completa: "Do lado oposto há quem negociou atletas, mas viu as dívidas aumentaram substancialmente, caso de Atlético MG, Corinthians, Cruzeiro."

Nos últimos cinco anos, o Flamengo foi o clube que mais arrecadou com negociação de atletas, com um total de R$ 893 milhões. É seguido pelo São Paulo com R$ 729 milhões, com o Palmeiras em terceiro lugar com R$ 669 milhões.

Mas os clubes mais dependentes da negociação de jogadores são Vasco, Grêmio, Fluminense, Botafogo e Red Bull Bragantino. Em 2021, mais de 25% da sua receita originária da negociação de atletas. São Paulo e Flamengo, clubes que mais arrecadaram com esse item, têm patamares pouco abaixo desse percentual.

Um dos pontos que pode amenizar a crise é o aumento das receitas com publicidade. Houve um crescimento de 48% na arrecadação com esse item que salto para R$ 1,061 bilhão. Ou seja, os clubes arrecadaram valores próximos em marketing em relação à negociação de atletas. O problema é que esse tipo de renda está bem mais concentrado entre os mais ricos.