PUBLICIDADE
Topo

Libertadores - 2022

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Conmebol espera valor recorde por direitos de TV da Libertadores

Câmera filma jogo da Libertadores - Eduardo Anizelli/Folhapress
Câmera filma jogo da Libertadores Imagem: Eduardo Anizelli/Folhapress
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

12/05/2022 04h00

A Conmebol deve definir nesta quinta-feira quem transmitirá a Libertadores e Sul-Americana para o próximo ciclo de 2023-2026. Para o Brasil, há concorrência na TV Aberta entre Globo e SBT; na TV Fechada, entre Espn, Amazon e Paramount. A expectativa da confederação sul-americana é de obter um valor recorde pelos direitos da competição.

Será a segunda concorrência organizada pela Conmebol e pela agência FC Diez, oficial da entidade, pelos direitos dos dois campeonatos. A primeira foi para o ciclo de 2019 e 2022.

Anteriormente, a Conmebol cedia seus direitos para a empresa Torneos sem concorrência e esta repassava os direitos. A investigação do Departamento de Justiça dos EUA apontou irregularidades nestes contratos com pagamentos de propina. E os preços pagos por emissoras eram irrisórios se comparado aos atuais.

Após a reforma da Conmebol, com a saída de dirigentes julgados por corrupção, a entidade assinou contrato com a FC Diez que garantiu US$ 350 milhões por ano para os direitos da Libertadores no primeiro ciclo. A partir daí, a agência negocia os direitos para tentar obter valores maiores, divididos com a confederação sul-americana.

No último contrato, no Brasil, foram obtidos US$ 135 milhões (R$ 694 milhões pelo câmbio atual) com os direitos de TV. A maior fatia seria paga pela Globo com um total de R$ 65 milhões por um pacote de TV Aberta e outro para o SporTV. Já a Fox Sports desembolsara US$ 50 milhões pelo principal pacote de TV Fechada. E o Facebook dava US$ 20 milhões por jogos nas quintas-feiras.

No meio do contrato, em 2020, a Globo decidiu romper o contrato com a Conmebol após tentar reduzir os valores. A entidade assinou novo acordo com o SBT e processou a Globo. A DAZN também desistiu do contrato da Sul-Americana. Assim, houve uma queda nos valores das competições. Esses acordos giravam em torno de US$ 40 milhões. Os jogos foram repassados ao PPV da Conmebol.

Pelas informações da concorrência, a confederação entende que vai arrecadar um valor maior do que na última concorrência na venda dos direitos do Brasil e da América do Sul. Ou seja, iria superar o valor de US$ 135 milhões. A mesma expectativa ocorre na Sul-Americana.

Cada uma das competições está fatiada em quatro pacotes: um de TV Aberta, dois de TVs Fechadas e um de highlights (melhores momentos). Houve disputa acirrada que levou a concorrência para um segundo round. A tendência é de que os maiores valores sejam obtidos na venda de TV paga da Libertadores, onde há grupos internacionais em disputa pelos direitos.

Globo e SBT disputam a TV Aberta, e a emissora carioca aceitou expor patrocinadores da Conmebol durante a transmissão em uma medida inédita.

A Conmebol também tem uma expectativa de aumentar a distribuição da Libertadores no continente com os novos vencedores da licitação. Ou seja, as duas competições sul-americanas teriam um alcance maior dentro dos países da América do Sul.

Quem decidirá os vencedores da concorrência é o Conselho da Conmebol, reunido nesta quinta-feira, composto por federações membros de todos os países. As propostas são acompanhadas de informações técnicas feitas pelos responsáveis pela licitação para que os dirigentes tomem a decisão.