PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Com peso de prêmios, Palmeiras bate Flamengo e Corinthians em receita de TV

Título da Libertadores impulsionou receita de TV - Juan Mabromata / AFP
Título da Libertadores impulsionou receita de TV Imagem: Juan Mabromata / AFP
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

11/05/2022 04h00

O Palmeiras liderou a receita de televisão e premiação em 2021 superando o Flamengo. Com os bônus por títulos, o clube alviverde obteve R$ 551 milhões, enquanto o time rubro-negro ganhou R$ 450 milhões. Os dados constam de levantamento da consultoria EY sobre as contas de 25 agremiações brasileiras.

As receitas de premiação estão incluídas no item televisão porque fazem parte dos direitos pagos por emissoras ou entidades para os times disputarem a competição. Na realidade, são renda essencialmente de TV distribuída por mérito esportivo.

"Na Libertadores, está aumentando bastante o valor de premiação, além da variação cambial. O Palmeiras ganhou duas Libertadores, Copa do Brasil, um conjunto de situações fez o Palmeiras liderar. A premiação tem tido um peso relevante. Ainda mais que o Brasileiro deixou de ser um fixo para uma variável", diz o diretor-executivo da área de esportes da EY, Pedro Daniel.

É o segundo ano seguido em que, por conta das campanhas nos mata-matas, o Palmeiras está na frente do Flamengo no quesito renda de televisão. Em 2020, o time alviverde também superou o rival com R$ 200 milhões contra R$ 180 milhões.

É fato que o Flamengo tem um contrato maior do que o Palmeiras no Brasileiro por conta do seu dinheiro garantido no pay-per-view. Em compensação, o time alviverde tem um contrato no Paulista melhor do que o rubro-negro no Carioca.

O principal, porém, é que competições nacionais (Copa do Brasil e Brasileiro) e sul-americana (Libertadores e Sul-Americana) têm seus resultados vinculados aos avanços de fase e posições finais. Assim, em 2021, o Palmeiras teve dois títulos da Libertadores e um da Copa do Brasil para contabilizar. O Flamengo só ganhou Carioca.

O peso da premiação nas cotas de tv pode ser verificado também pelo terceiro lugar no ranking: o Atlético-MG atingiu R$ 279 milhões. Houve peso considerável para os títulos do Brasileiro e Copa do Brasil que lhe renderam R$ 100 milhões só pelas taças. O Corinthians, que tem contratos mais polpudos, chegou a R$ 266 milhões. O quinto colocado é o São Paulo com R$ 243 milhões. "Antes, discutimos a discrepância pelos valores fixos, mas isso pode acontecer nas premiações", comenta Pedro Daniel, da EY.

O levantamento da EY mostra que os 25 clubes arrecadaram R$ 3,5 bilhões com receitas de TV, o que representou 50% do total. Esses números estão inflados porque boa parte das rendas dos campeonatos foi transferida de 2020 para o ano passado - o Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil só terminaram no início de 2021.

Tanto que, em 2020, os clubes tinham arrecadado R$ 1,760 bilhão com o item, um valor bem abaixo do normal. Na média, desde 2016, as agremiações brasileiras ganharam R$ 2,419 bilhões com televisão a cada ano. Foi aquela temporada em que ocorreu a assinatura do novo contrato do Brasileiro, com pagamento de luvas para todos. O acordo é válido de 2019 a 2024. "Com certeza, se converter em dólar, é baixo o que rende o Brasileiro (para o potencial). O Brasileiro não deveria ser um conteúdo só para o Brasil. Deveria ter uma lógica como outros campeonatos e ser vendido para fora", analisa Pedro Daniel, da EY.

Esse montante de receita mostra a enorme importância do Brasileiro dentro da receita geral dos clubes. O campeonato nacional gera uma receita entre R$ 1,6 bilhão e R$ 1,8 bilhão. Ou seja, a Série A representa entre dois terços e três quartos da receita geral de televisão no país. Para Pedro Daniel, é a competição que tem mais peso financeiro também porque é a única em que os clubes vão até o final e ganham com isso.

Considerando um período maior, de 2017 a 2021, o Flamengo tem as maiores receitas de televisão, com 13% do total gerado neste item. O Palmeiras vem na sequência com 11%. De novo, os contratos negociados por conta do tamanho da torcida e as boas campanhas têm peso para essa realidade. O Corinthians vem atrás com 8%.

Veja o ranking de arrecadação de receita de TV e premiação em 2021:

1 - Palmeiras - R$ 551 milhões

2- Flamengo - R$ 450 milhões

3- Atlético-MG - R$ 279 milhões

4- Corinthians - R$ 266 milhões

5- São Paulo - R$ 243 milhões

6- Grêmio - R$ 207 milhões

7- Athletico - R$ 189 milhões

8 - Fluminense - R$ 177 milhões

9 - Internacional - R$ 173 milhões

10 - Santos - R$ 139 milhões

11 - Bahia - R$ 124 milhões

12 - Fortaleza - R$ 108 milhões

13 - Atlético-GO - R$ 100 milhões

14 - Ceará - R$ 91 milhões

15 - América-MG 72 milhões

16 - Vasco - R$ 68 milhões

17 - Coritiba - R$ 56 milhões

18 - Botafogo - R$ 50 milhões

19 - Cruzeiro - R$ 44 milhões

20 - Cuiabá - R$ 40 milhões