PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Record no Paulista por 4 anos infla renda de times de SP e trava calendário

Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

24/09/2021 17h21

A Record venceu uma concorrência pelos direitos do Paulista e levou um contrato de quatro anos para a TV aberta. A disputa envolveu Globo, SBT e Band: isso aumentou os valores e deve incrementar a renda dos times de São Paulo. Ao mesmo tempo, afeta o calendário futuro do Brasileiro.

O pacote vendido foi de 16 jogos, incluindo a fase de classificação, quartas de final, semifinal e duas finais. Ou seja, é um jogo por rodada. O Youtube tinha levado outras 16 partidas em concorrência anterior. Não são partidas coincidentes.

O empacotamento do Paulista por jogos foi feito pela LiveMode, parceira da Federação Paulista de Futebol (FPF). A previsão é de que, com isso, já tenha garantido um aumento do valor total pago pelo campeonato que gira em torno de R$ 250 milhões.

Isso porque houve de fato concorrência pela TV aberta, com propostas feitas por SBT, Globo e Record. A Band saiu antes do final do processo. Com isso, o valor se elevou, mas o valor não foi divulgado.

Assim, os times paulistas que estão na Série A do Brasileiro devem aumentar suas cotas pagas em três meses do ano, que é o tempo de duração do Estaduais.

Fechado por quatro anos, o contrato inicia-se no próximo ano e vai até 2025. Isso significa que o Paulista terá 16 datas por contrato por mais quatro anos. A CBF costuma usar os acordos comerciais para justificar que não se mexa no calendário.

É uma trava que dificultará qualquer mexida no calendário para redução de Estaduais como extensão do Brasileiro. Essa discussão sobre o aumento do período da Série A vinha acontecendo no âmbito da Liga de clubes.

Há uma corrente dentro da liga que defende que o campeonato nacional só vai valer mais se ocorrer em mais meses —hoje el eé disputado em apenas sete meses. Essa corrente coincide com o que é praticado fora do país, por períodos mais longos.

Além disso, o período do contrato do Paulista vai além do prazo final do acordo do Brasileiro que acaba em 2024. Assim, qualquer negociação dos times para um novo acordo da Série A vai partir da premissa de que haverá 16 datas garantidas para o Estadual. Para estender o Brasileiro, seria necessário que as competições ocorressem de forma simultânea.

Em outros Estados, os clubes e federações têm tido dificuldade para obter receita sequer próxima do Paulista. O Carioca teve um contrato de TV aberta com a Record de R$ 15 milhões no próximo ano. Gaúcho e Mineiro têm contratos no final e a sinalização atual é de ofertas inferiores aos acordos anteriores.

Rodrigo Mattos