PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Mattos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Flamengo acerta contrato de R$ 151 milhões de receita para vender Fan Token

Empresa de Fan Tolken inclui patrocínio na camisa da base - Reprodução/CBF
Empresa de Fan Tolken inclui patrocínio na camisa da base Imagem: Reprodução/CBF
Rodrigo Mattos

Nascido no Rio de Janeiro, em 1977, Rodrigo Mattos estudou jornalismo na UFRJ e Iniciou a carreira na sucursal carioca de ?O Estado de S. Paulo? em 1999, já como repórter de Esporte. De lá, foi em 2001 para o diário Lance!, onde atuou como repórter e editor da coluna De Prima. Mudou-se para São Paulo para trabalhar na Folha de S. Paulo, de 2005 a 2012, ano em que se transferiu para o UOL. Juntamente com equipe da Folha, ganhou o Grande Prêmio Esso de Jornalismo 2012 e o Prêmio Embratel de Reportagem Esportiva 2012. Cobriu quatro Copas do Mundo e duas Olimpíadas.

09/09/2021 08h02

O Flamengo acertou um contrato com um pagamento garantido de US$ 28,5 milhões (R$ 151 milhões) com a socios.com para a venda de Fan Token. O compromisso ainda precisa ser aprovado no Conselho Deliberativo. Caso chancelado, será válido por quatro anos e meio até o final de 2025.

A empresa sócios.com é dona de uma criptomoeada e, para promove-la, faz associações com grandes marcas para vendas de Fan Token. O sistema funciona da seguinte forma: são lançados os Token que só podem ser comprados com a criptomoeda e, com isso, esta se torna mais popular e sobe de cotação.

No Brasil, a socios.com já lançou produtos de Corinthians e Atlético-MG. No exterior, fez parcerias similares com times da NBA, PSG, Barcelona, City, entre outros.

O Fan Token do Flamengo deve ser vendido por US$ 2,00, preço similar aos dos outros times brasileiros. A partir daí, o clube fica com metade da receita, e a empresa com o restante. Toda a operação será feita pela sócios.com que .

Mas há valores garantidos pelo acordo feito entre o clube e a empresa. Há US$ 13,5 milhões de mínimo de receita para os quatro anos e meio, em torno de US$ 3 milhões por ano (R$ 16 milhões). Se a metade do valor arrecadado for maior do que este valor, o Flamengo terá uma fatia maior.

Além disso, outros US$ 13,5 milhões serão pagos como uma taxa pelo licenciamento da marca do clube. Por um fim, um excedente de US$ 1,5 milhão é destinado a remunerar publicidade em mídias sociais. Estão inclusos no acordo também patrocínios na camisa dos times da base, feminino, camisa de treino. Assim, o total garantido é de US$ 28,5 milhões (R$ 151 milhões) por quatro anos e meio.

Os termos do acordo foram apresentados ao Conselho Diretor do Flamengo na noite de quarta-feira. Aprovados nesta instância, serão levados ao Conselho Deliberativo em data na próxima semana. A intenção é uma aprovação rápida porque o clube já receberia um valor adiantado de R$ 17 milhões.

A negociação deste contrato foi bem longa, o que levou o Fan Token rubro-negro a demorar mais a entrar no mercado. Além dos clubes, a CBF já vendeu também o produto com a empresa Bitici. Trata-se de uma concorrente que também chegou a negociar com os clubes brasileiros.

O valor previsto de arrecadação pouco acima de R$ 30 milhões anuais aproxima-se do ganho com o principal patrocinador master rubro-negro o BRB. Representa mais um salto de arrecadação no marketing do clube que tem aumentado receitas durante o período.

Rodrigo Mattos